Paris Jackson nega internação em clínica de reabilitação: "Estou bem"

Paris afirma que a mídia está exagerando sobre sua situação "como sempre", em suas próprias palavras

Publicado em 18/01/2019 às 09h56

Atualizado em 18/01/2019 às 09h57

Foto:Reprodução/Instagram @parisjackson

A modelo e cantora Paris Jackson, de 20 anos, negou que esteja em tratamento de reabilitação como foi noticiado por sites de notícias americanos. Ela usou sua rede social para esclarecer que apenas precisa de um tempo longe dos holofotes.

Paris afirma que nunca esteve tão bem. "A mídia está exagerando como sempre. Sim, tirei uma folga do trabalho e das mídias sociais e do meu telefone porque, às vezes, tudo isso pode ser demais. Todo o mundo merece uma pausa, mas estou feliz e saudável e me sentindo melhor do que nunca!", escreveu em sua conta no Instagram.

Leia também

A filha de Michael Jackson ainda anunciou que terá músicas novas em breve com o parceiro Gabriel Glenn. A dupla forma a banda The Sound Flowers.

Revistas como a People e Entertainment Tonight noticiaram que ela teria se internado em uma clínica de reabilitação. Uma fonte próxima da artista disse que "depois de um ano ocupada com trabalhos que a levaram ao redor do mundo, Paris decidiu que precisa tirar um tempo para reiniciar, se realinhar e priorizar sua saúde física e emocional".

Há três anos, Paris fez um desabafo em uma série de vídeos postados no Instagram, dizendo que está cansada do bullying que recebe sem motivo aparente nas redes sociais.

Nas filmagens depois deletadas, mas que foram salvas e postadas por algum seguidor no YouTube, ela diz que já fez de tudo para tentar evitar os comentários negativos, mas que nada tem dado certo.

"Eu não consigo entender como há tanto ódio no mundo", declarou em lágrimas. "Eu tentei me impor, tentei bloquear todos os 'haters', não ler os comentários. Tentei muitas coisas, mas é muito difícil", acrescentou.

Ela revelou que, na época, que tentou se matar por causa de comentários. Na época, ela passou cerca de um mês internada em uma instituição dos EUA.

"Quando eu tinha 14 anos, recebia tanto ódio que tentei me matar. Deixei as redes sociais por dois anos. E as pessoas me pediam para voltar, para deixar minha conta do Instagram aberta novamente, então eu retornei, mas nada mudou", contou.

Compartilhe



Mais no Gazeta Online