Paola Carosella se emociona com ex-detento trans

Jurada do MasterChef emocionou ao publicar depoimento na web

Publicado em 07/07/2019 às 15h02

Foto:Reprodução/Instagram @transcendemos_

Paola Carosella, 46, publicou nesta sexta-feira (5) uma foto abraçada a John Maia, 35, um homem transgênero, ex-dependente químico e ex-presidiário. Coordenadora do projeto Cozinha e Voz em Goiânia, a chef encontrou o rapaz em um evento na Penitenciária Feminina Consuelo Nasser e o abraçou, compartilhando o momento na internet junto a um depoimento dele. 

Na mensagem, Maia afirma que a jurada do MasterChef Brasil o ajudou a mudar a sua vida e lhe deu um novo propósito. "O Cozinha&Voz foi um divisor de águas na minha vida e agradeço muito a Deus por isso, porque eu aprendi a como me portar numa cozinha, tive curso de poesia e fui convidado a ser monitor de todos os cursos", diz.

 

 

 

 

 

 

Ver essa foto no Instagram

Eu sou o John "Eu sou John Maia, tenho 35 anos, sou um homem trans, ex-morador de rua, um ex-presidiário, eu vivi na cracolândia de SP e fiquei 1 ano na penitenciária feminina de Santana com mais 3000 mulheres. Hoje faço humanização há 2 anos em Goiânia-GO e sou o primeiro homem trans a fazer mastectomia aqui no hospital HGG. Conheci o projeto Cozinha&Voz e tive o privilégio de participar na primeira edição de Goiânia. Eu falo que existe o John antes do projeto e o John de hoje. O Cozinha&Voz foi um divisor de águas na minha vida e agradeço muito a Deus por isso, porque eu aprendi a como me portar numa cozinha, tive curso de poesia com a @geovanapires_ e com a @elisalucinda e fui convidado a ser monitor de todos os cursos. Hoje, estar no presídio com a turma nova e participar do projeto com os moradores de rua, faz eu me sentir lisonjeado por poder ver a mudança de cada um, porque eu saí de todos os lugares, eu saí da rua, eu saí do presídio. Da mesma forma que o chão é o colchão deles, o chão também já foi o meu colchão. Eu inspiro todos eles porque eles veem que podem mudar de vida. O que a maioria quer é uma oportunidade e graças a Paola, @thaisdumet, @geovanapires_ , @tiago_ranieri e alguns empresários, eles não desistem, essas pessoas dão a oportunidade que muitos querem. A sociedade é muito preconceituosa com ex-presidiário, ex-morador de rua, pessoas trans, existe muita discriminação. O projeto quebra esses tabus, pois além de capacitar, o que pede é emprego para as pessoas, empregos onde as pessoas possam ser vistas, porque é muito fácil você colocar alguém em algum lugar que ele não é visto, tapar o sol com a peneira, e o projeto busca colocar num lugar onde todos podem ser vistos com dignidade. Eu sou eternamente grato, sinto só gratidão e eu penso: nossa, onde o John Maia chegou e onde eu tô trilhando o meu caminho! Onde um ex-presidiário, ex-morador de rua, ex-dependente químico chegou! Hoje tenho meu trabalho e sirvo de exemplo para algumas pessoas e sei que posso ir mais longe.” Obrigada por nos ensinar tanto @jo_maia_gomes! @mptgoias @mptrabalho @iloinfo @neiderigo @fecunha06 @casapoemaoficial @bennygb @laguapasp @mangiaregastronomia

Uma publicação compartilhada por Paola Carosella (@paolacarosella) em

"Hoje, estar no presídio com a turma nova e participar do projeto com os moradores de rua, faz eu me sentir lisonjeado por poder ver a mudança de cada um, porque eu saí de todos os lugares, eu saí da rua, eu saí do presídio. Da mesma forma que o chão é o colchão deles, o chão também já foi o meu colchão. Eu inspiro todos eles porque eles veem que podem mudar de vida".

Ele continua dizendo que "o que a maioria [das pessoas] quer é uma oportunidade", e que ele a teve com a ajuda de Paola e outros integrantes do projeto. "Eles não desistem, essas pessoas dão a oportunidade que muitos querem. A sociedade é muito preconceituosa com ex-presidiário, ex-morador de rua, pessoas trans, existe muita discriminação. O projeto quebra esses tabus, pois além de capacitar, o que pede é emprego para as pessoas, empregos onde as pessoas possam ser vistas".

Leia também

"Eu vivi na cracolândia de SP e fiquei um ano na penitenciária feminina de Santana com mais 3000 mulheres. Hoje faço humanização há 2 anos em Goiânia-GO e sou o primeiro homem trans a fazer mastectomia aqui no hospital HGG", lembra ele. "Sou eternamente grato, sinto só gratidão e eu penso: nossa, onde o John Maia chegou e onde eu tô trilhando o meu caminho! Onde um ex-presidiário, ex-morador de rua, ex-dependente químico chegou! Hoje tenho meu trabalho e sirvo de exemplo para algumas pessoas e sei que posso ir mais longe".

Ao final da mensagem reproduzida pelo amigo, Paola o agradece por ele a "ensinar tanto".

Compartilhe



Mais no Gazeta Online