Trilhas e aprendizado garantidos na Estação de biologia em Aracruz

De graça, o visitante pode caminhar por mais de 1 quilômetro de trilha, passear pela área da reserva na praia e observar dezenas de espécies de aves diferentes

Publicado em 05/02/2019 às 14h17

Atualizado em 06/02/2019 às 16h28

Em um giro por Aracruz, no Norte do Espírito Santo, dá para curtir as belezas das praias que contornam o litoral e degustar de uma boa gastronomia com frutos do mar da própria região. Acontece que por lá, também, tem como admirar os atrativos da mãe-natureza na Estação Biologia Marinha Augusto Ruschi (EBMar).

O espaço possui atividades pré-agendadas para crianças e escolas de todo o Brasil e recebe também gente que desenvolve a observação profissional de pássaros. Mas nada impede que turistas e visitantes passem um tempo andando pelas trilhas da propriedade e da praia, onde facilmente é possível avistar beija-flores e tartarugas marinhas, de um lado e de outro, respectivamente.

Estação Biologia Marinha Augusto Ruschi (EBMar) funciona em Aracruz, no Norte do Espírito Santo, desde 1970 e é coordenado por Gabriel Ruschi, neto do biólogo que dá nome à reserva; espaço possui dezenas de espécies de animais, incluindo beija-flor e aves exóticas
Foto:Ricardo Medeiros
Estação Biologia Marinha Augusto Ruschi (EBMar) funciona em Aracruz, no Norte do Espírito Santo, desde 1970 e é coordenado por Gabriel Ruschi, neto do biólogo que dá nome à reserva; espaço possui dezenas de espécies de animais, incluindo beija-flor e aves exóticas

Apesar de ser dividida por uma estrada, a estação compreende uma área de mata, à esquerda de quem chega a Aracruz de Vitória, capital do Espírito Santo, e um trecho da faixa de areia, à direita de quem está na mesma direção. O local é administrado de forma independente e não é cobrada entrada de visitantes.

Os turistas também podem usufruir de mais de 1,5 quilômetro de trilhas sem custo, apenas respeitando as regras de roupas e comportamento no meio da natureza. Ao todo, a estação soma 29 hectares de área.

Foto:Ricardo Medeiros

O local não possui lanchonete e restaurante, mas é equipado com área em que dá para fazer um lanche ou até um piquenique. O visitante pode levar algo de casa, mas também precisa respeitar as regras de preservação do ambiente, que é uma reserva natural.

16 ESPÉCIES DE BEIJA-FLOR

O ambientalista Gabriel Ruschi, neto do biólogo Augusto Ruschi - que dá nome à estação -, é quem gerencia o espaço com uma equipe. Segundo ele, só de beija-flores, o local abriga mais de 16 espécies diferentes e é justamente por essa variedade de fauna e flora que os turistas mais se encantam na temporada de verão. "É a época do ano em que mais vem gente. Ao longo dos meses, nosso maior público é o de alunos de escolas que vêm do Brasil inteiro. Nessa temporada de dezembro a fevereiro, que frequentam mais turistas, sobretudo nos fins de semana", relata.

Gabriel destaca que, além dele, há uma equipe de biólogos e oceanógrafos que ajudam nas indicações e atendimentos aos visitantes que chegam até lá. Quem quer, pode pedir ajuda desse suporte para fazer as trilhas e acompanhar as áreas de visitação da estação, que também possui um acervo exposto permanentemente de animais empalhados.

Foto:Ricardo Medeiros

BIRDWATCHING EM ALTA

Recebemos muita gente, todos os meses, que vem fazer observação de pássaros
Gabriel Ruschi, ambientalista e gerente da EBMar

"Birdwatching" é o nome técnico que se dá à observação profissional de pássaros. Ao todo, a EBMar recebe, aproximadamente, 250 pessoas com esse objetivo mensalmente. A maioria é de cientistas brasileiros, mas os estrangeiros também estão se interessando pelas aves capixabas. "Recebemos um número considerável de gente de fora do País que vem com esse intuito. Desse grupo, a maioria é da Europa", comenta.

Foto:Ricardo Medeiros

De acordo com o ambientalista, a EBMar ainda sedia algumas aulas de biologia para os visitantes. Mais focadas para os alunos do ensino básico que frequentam o espaço, elas são agendadas e acontecem periodicamente, de acordo com a demanda. "Esses visitantes da observação geralmente têm um estudo teórico muito bom, mas estamos com estrutura e profissionais capazes de atender ao nível que vai até a pós-graduação", relata.

Gabriel destaca que as crianças que vão à estação gostam de ver na prática o que aprendem na teoria. Até por esse motivo, é interessante desenvolver algo que seja educativo e lúdico com elas.

Foto:Ricardo Medeiros

SERVIÇO

Estação Biologia Marinha Augusto Ruschi (EBMar)

Leia também

Endereço: Av. Augusto Ruschi, 1, Aracruz

Horários: das 7h às 16h, às quintas, sextas, sábados e domingos

Mais informações: (27) 98119-9292

Compartilhe



Mais no Gazeta Online