Veja dicas de vinhos para harmonizar com a torta capixaba

Confira quatro opções de rótulos que vão bem com o prato típico da Semana Santa

Publicado em 18/04/2019 às 12h51

Atualizado em 18/04/2019 às 12h55

Torta capixaba pede boa combinação de bebida
Foto:Gabriel Lordêllo/Arquivo AG
Torta capixaba pede boa combinação de bebida

Esperado por muitos glutões, o feriado da Semana Santa inspira muita gente a ir para a cozinha preparar a tradicional torta capixaba. Outros preferem não se aventurar no forno e no fogão e recorrem às encomendas do prato típico.

Mas é consenso que um bom prato como a torta capixaba pede uma bebida à altura. Por isso, o Gazeta Online recorreu ao sommelier Helio Massoni, do Wine Spot, que dividiu quatro boas dicas para harmonizar com os mariscos da iguaria local. Os rótulos variam entre R$ 36,90 e R$ 69. 

"De uma forma geral, recomendo um vinho branco, ou um rosé, um espumante... O tinto entrou na lista como uma opção para quem não abre mão, mas ainda assim, sugiro uma uva mais leve, que é o caso da pinot noir", explica Massoni. 

Aves del Sur Sauvignon Blanc

O vinho chileno (R$ 45) vai bem com o prato capixaba porque é mais leve e fresco, com características que remetem mais ao aroma do que ao sabor. "Além disso, vinhos como este, com boa acidez, elevam o prato a um frescor e acabam deixando-o mais agradável ao paladar", diz o sommelier.

El Aviador Rosé

Mais encorpado, o vinho espanhol (R$ 65) é feito com uvas tintas. Apesar do corpo, ele ainda tem ótima acidez e aromas bastante agradáveis quando combinados com os ingredientes da torta. "É um vinho leve, muito delicado", detalha Helio. 

Santa Digna Reserva Pinot Noir 

Outro chileno da lista, este vinho (R$ 69) é uma opção para aqueles que não abrem mão dos tintos de jeito nenhum. A uva pinot noir é mais leve, tem pouco corpo e pouco tanino, o que casa melhor com os mariscos do nosso prato capixaba. "Apesar de não ser o ideal, é uma boa para quem só toma vinho tinto, porque os taninos combinados com o peixe, o camarão e os demais frutos do mar não entram em atrito no paladar, como seria o caso se o vinho escolhido fosse um com passagem por barris de madeira, por exemplo", explica.

Espumante Raro Brut

De origem brasileira, o rótulo surge como uma opção mais versátil (R$ 36,90). "Os espumantes em geral, principalmente os bruts (secos), são curingas, harmonizam bem, têm uma versatilidade quando combinados com inúmeros tipos de comida, inclusive com a torta capixaba", conclui o sommelier.

Compartilhe



Mais no Gazeta Online