Notícia

Mundial de escalada determinará primeiros classificados para Tóquio

Os resultados necessários para sonhar com uma classificação para a próximos Jogos Olímpicos estão muito longe do que foi apresentado até agora pelos atletas brasileiros

O Campeonato Mundial de escalada começou no domingo, em Hachioji (JAP), e classificará sete atletas de por gênero para Tóquio-2020, até o dia 21 de agosto. Esta é uma edição extra, visto que o último foi realizado há um ano. Embora seja tradicionalmente realizado a cada dois anos, o Mundial de Escalada IFSC será novamente disputado este ano, à medida que os atletas se prepararem para a estreia olímpica do esporte. Os eventos combinados deste ano também servem como eliminatórias olímpicas.

Todos a atenção das mídias especializadas, assim como dos patrocinadores, estarão voltados para escaladores favoritos como a eslovena Janja Garnbret e o austríco Jakob Schubert, além dos favoritos japoneses Tomoa Narasaki , Akiyo Noguchi e Miho Nonaka. Ao contrário de alguns esportes, os atletas em escalada esportiva qualificam por cotas individuais, e não para índice olímpico.

Como funciona a seleção de atletas
Existem 40 vagas no total, das quais 20 são para a categoria masculina e outros 20 para a feminina. Quanto à distribuição de vagas, das 20 destinadas a cada sexo, uma é para o país anfitrião (Japão) e outra para o que se chama de “Locais de Convocação da Comissão Tripartite”, que são lugares de convite atribuídos por esta comissão. Dessa maneira, existem de fato para serem disputadas 18 vagas para cada gênero.

A cota máxima por país ou federação nacional é de dois atletas por gênero. Portanto, a cada cota preenchida por um país, a vaga é “herdada” por um atleta de outro país que ainda não foi contemplado ou que o país não tenha sua cota esgotada.

Lembrando que todos os atletas que competem em Tóquio irão fazê-lo em todas as três disciplinas: boulder, vias guiadas e velocidade. Este formato combinado, muito criticado desde o anúncio que o esporte faria parte das Olimpíadas, resultará em medalhas para quem obtiver o melhor desempenho em cada uma delas.

A primeira etapa para a corrida olímpica começa efetivamente agora, no Campeonato Mundial de Hachioji, cidade japonesa localizada na província de Tóquio a 36 km da capital. O campeonato irá premiar com a classificação os 7 melhores homens e as 7 melhores mulheres com os melhores resultados combinados das três disciplinas: boulder, vias guiadas e velocidade.

Após esta edição extra do Mundial, haverá ainda seis vagas para atletas que melhor estiverem colocados nas etapas da Copa do Mundo do IFSC. Para obter este lugar, os atletas devem ter participado de pelo menos dois eventos da Copa do Mundo em cada disciplina durante o ano de 2019 e, claro, não ter se classificado para as vagas olímpicas no Campeonato Mundial.

As últimas cinco vagas restantes para cada gênero serão distribuídas para o melhor colocado não classificado para as Olimpíadas (em cada gênero) nos torneios continentais a serem disputados em 2020. As etapas classificatórias continentais são:

África: 1-3 de maio, Joanesburgo, África do Sul.
Ásia: 18 a 24 de maio, Morioka, Japão
Europa: 16 a 18 de abril, Moscou, Rússia
Continente Americano: 27 de fevereiro a 1º de março em Los Angeles, EUA
Oceania: 18 a 19 de abril, Sydney, Austrália.

Atletas sul-americanos
Assim como todos os países que participam da edição extra do Mundial, os países sul-americanos enviaram os atletas mais fortes de seu esporte. É consenso entre todos que acompanham o esporte que o parâmetro para saber as reais chances de ganhar uma vaga para as Olimpíadas é a classificação de um atleta para as semifinais durante a Copa do Mundo de Escalada.

No que depender deste quesito, somente uma atleta sul-americana se classificou para as semifinais: a argentina Valentina Aguado. Além disso, em várias etapas esteve muito próxima da linha de corte da classificação. Quanto aos atletas brasileiros, os resultados apresentados em 2018 os colocaram em um patamar muito longe de ambicionar chegar às semifinais. Embora haja brasileiros melhor classificados entre os sul-americanos, ainda é insuficiente para grandes ambições quando o resultado é comparado com atletas norte-americanos e canadenses.

Embora a liga independente que administra as competições de escalada no Brasil comemore o volume de atletas competindo em Hachioji, os resultados a serem apresentados para sonhar com uma classificação para as Olimpíadas estão muito longe do que foi apresentado até agora.

Pontuação
A primeira coisa a explicar para quem não está familiar com a escalada esportiva é o sistema de pontuação e classificação das competições de escalada no formato olímpico, também chamado de combinado. Conforme explicado acima, os escaladores competem em três disciplinas: velocidade, depois boulder e depois vias guiadas. A pontuação geral de cada atleta determina a classificação das três disciplinas multiplicadas entre si.

No pan-americano realizado em novembro passado no Equador, muitos atletas abdicaram de uma disciplina. Isso fez com que a pontuação no formato olímpico (combinado) classificasse às finais atletas com baixo rendimento, mas que tinham pontuado nas três disciplinas. Na edição extra do Campeonato Mundial em Hachioji não haverá esta distorção. Portanto, o campeonato está sendo encarado pela comunidade como o verdadeiro espelho de Tóquio-2020.

Por exemplo, se um escalador ficasse 4º em velocidade, 2º em boulder e 6º em vias guiadas, sua pontuação seria 48 (4 x 2 x 6). Dos 20 escaladores classificados para o formato olímpico (o qual foi testado e aprovado nos Jogos Olímpico da Juventude), a melhor pontuação possível é 1 (1ª na velocidade x 1ª em boulder x 1º em vias guiadas) e a pior pontuação possível seria 8.000 (se um escalador terminar em 20 nas três disciplinas).

Os 8 escaladores mais bem classificados avançam para as finais. Seguindo a mesma lógica a melhor pontuação é 1, e a pior é 512 (8º em todas as três disciplinas).

Onde assistir
A edição extra do Campeonato Mundial de Escalada em Hachioji será transmitida por streaming gratuito e pelo Olympic Channel. Para a América do Sul o streaming de transmissão do evento pode ser acompanhado gratuitamente no canal do IFSC no YouTube (não há necessidade de assinatura ou aquisição de pacote premium na TV a cabo).