Notícia

Lágrimas e saudade: paratleta Renata Bazone reencontra o pai após 43 anos

Famosa após conquistar a medalha de prata nos Jogos Parapan-Americanos de Toronto, corredora conta seu drama pessoal

“Meu coração vai sair pela boca”. Renata Bazone Teixeira aguardava ansiosa, demonstrava inquietação e já deixava transparecer que o dia 14 de janeiro de 2017 ficaria marcado para sempre em sua memória. Medalhista de prata nos Jogos Parapan-Americanos de Toronto (2015), campeã mundial no Catar (2016) e quarta colocada na Olimpíada do Rio, a corredora transbordou de emoção. Um encontro familiar, após mais de 40 anos de separação, ocorreu para a alegria de todos.

Paratleta Renata Bazone encontra o pai após 43 anos sem contato
Paratleta Renata Bazone encontra o pai após 43 anos sem contato
Foto: Edson Chagas/A Gazeta

A paratleta viveu momentos de carinho, amor e lágrimas ao conhecer o pai, Reinaldo Lopes Teixeira. Seu Reinaldo, como é chamado, enfrentou os 492 quilômetros que separam a cidade de São Gonçalo, no Rio de Janeiro, até o bairro Oriente, em Cariacica, para ver a filha pela primeira vez. Uma frase de Renata ao tocar o pai definiu bem a importância do momento para os dois.

“Te amo e obrigado por vir”, disse a atleta para o pai, um motorista aposentado que ficou feliz e surpreso pelas palavras da filha. Além da distância de mais de quatro décadas, Reinaldo sequer sabia onde Renata estava morando.

Paratleta Renata Bazone reencontra o pai por GazetaOnline

“Você é especial para mim e eu não vou mais me separar de você, Renata. Eu não poderia morrer sem te ver e sem saber que você está linda e bem. Meu medo era que você não me aceitasse como pai, mas quero te dizer que eu sempre te procurei e tinha o sonho de te conhecer”, emendou Reinaldo, olhando nos olhos da filha.

Foi começar a falar que imediatamente seu Reinaldo caiu aos prantos, enquanto recebia todo carinho e atenção de Renata. Emocionada e também muito comovida com as explicações do pai, a corredora desabafou.

“Não tenho mágoa nenhuma pelo tempo separado. Vamos recuperar os anos perdidos e temos muito o que conversar. Tenho filhos e fiquei pensando neles em um momento como esse”, afirmou, sendo interrompida pelo choro que não conseguiu segurar ao lembrar do passado.

As famílias por parte de mãe e de pai se uniram neste sábado na casa da mãe de Renata
As famílias por parte de mãe e de pai se uniram neste sábado na casa da mãe de Renata
Foto: Edson Chagas/A Gazeta

Por trás da risada fácil há sentimentos que fazem as pistas de 1.500 metros de distância parecerem moleza. Uma trajetória que passa a ter novos capítulos.

“Posso dizer que esse foi o meu prêmio mais importante. Nunca vou me esquecer. Agradeço a Deus por tudo o que ele fez por nós”, concluiu Renata.

Pesquisa na internet foi crucial

O drama familiar de Renata Bazone chegou ao fim. E muito por causa da iniciativa da nora de seu Reinaldo, Patrícia de Oliveira Souza, de 33 anos, que foi quem começou uma longa busca na internet para encontrar alguma informação sobre a filha que o sogro não conhecia. Depois de 15 anos procurando, a dona de casa finalmente encontrou a paratleta em uma rede social.

“Quando colocamos o nome da Renata no Facebook apareceu o perfil dela, porém, nós estranhamos porque pensamos ‘não deve ser ela... essa aqui é atleta olímpica’. Mesmo assim, peguei uma foto e mostrei para algumas primas. Quando viram a foto, elas falaram que os traços da Renata lembravam o Reinaldo. Foi aí que entramos em contato, explicamos a história e marcamos o encontro”, explicou Patrícia.

Seu Reinaldo lê carta que escreveu para a filha Renata Bazone
Seu Reinaldo lê carta que escreveu para a filha Renata Bazone
Foto: Edson Chagas/A Gazeta

Para homenagear a filha, Reinaldo leu a carta que havia escrito especialmente para o momento. Ele fez questão de declarar seu amor pela filha e expressar toda sua dor vivida nos últimos anos, quando estava distante dela.

“Eu nunca te esqueci. Agora, na sua bagagem, tem um torcedor que não te viu crescer, mas que sempre te amou. Renata, você venceu”, conta um trecho da carta.

Ver comentários