Notícia

Eles não são mais novinhos, mas são atletas de alto rendimento do ES

Seu José Luiz Pimentel tem 74 anos, faz atividade física todos os dias e tem conseguido excelentes resultados nas competições nacionais de natação

Foto: Edson Chagas

Engana-se muito quem pensa que esporte de gente que já passou dos 70 é ficar sentado no banco da praça jogando dominó. Pelo menos para o seu José Luiz Pimentel, de 74 anos, ficar parado é algo que ele não consegue por muito tempo. Nadador e corredor, o aposentado tem conseguido resultados expressivos nas competições estaduais e nacionais que disputa e aumentando cada vez mais sua coleção de medalhas e troféus.

Seu José Luiz faz atividade física sete dias na semana, mesclando natação, corrida e musculação. Tudo muito bem dividido e orientado para evitar lesões. Ele dá lição há muito garoto de 18 anos por aí.

"Antes, quando era mais novo, fazia alguns esportes. Joguei tênis, capoeira, ginástica olímpica, canoa havaiana. Mas nada muito regular. Mas de uns tempos para cá decidi fazer corrida e natação. Participo do Campeonato Brasileiro Master de natação em piscina e até agora minha classificação é o terceiro lugar na minha categoria. Não consigo ficar sem fazer atividade física. Faz parte da meu dia a dia, da minha vida mesmo", disse.

A rotina de Pimentel é parecida com um atleta que tem uma vida mergulhada nas competições. Ele corre nas segundas e quartas, treina em piscina às terças, quintas e sextas e faz musculação quatro vezes na semana.

"Eu não vivo sem o esporte mais. Viajo bastante para competir. Neste final de semana mesmo nado seis provas no Brasileiro, em Curitiba - PR. participar das provas aqui no Estado. O bom que eu raramente fico doente. Acho que idade não é empecilho de nada para gente. É muito bom a gente poder viver com saúde. Acordo cedo, já animado", completou.

Da corrida, ela partiu para o Triatlo

Quem vê Adeli Gavina com as filhas, pode pensar que se trata de uma irmã mais velha. Mas a educadora física já tem 55 anos, apesar de ter fôlego e aparência de uma mulher ainda mais nova. Tudo isso, no entanto, tem uma explicação: Adeli é uma amante do esporte. Desde de criança está inserida nesse mundo, em diferentes modalidades, mas pegou firme mesmo na corrida. Ela foi aumento os quilômetros aos poucos, foi ganhando resistência e hoje migrou para o Triatlo.

Foto: Arquivo Pessoal

Recentemente foi campeã Brasileira na categoria 55 a 59, em etapa disputada no Espírito Santo. Os resultados têm comprovado que a dedicação dela está sendo muito bem recompensada.

"Acordo 4h30 da manhã para ir treinar. A bicicleta eu comecei a treinar este ano para o triatlo. Já consegui ser campeã do Brasileiro. O que eu quero com isso é ter vida longa. Viver bem e ter uma vida saudável", comentou.

Assim como seu José Luiz Pimentel, Adeli treina todos os dias, mesclando atividades ao ar livre com a academia de musculação.

"A rotina é intensa. Tem que ter dedicação. Eu prefiro provas mais curtas, mas de alta intensidade. Cuido da alimentação também. Acho que uma coisa leva a outra. Pratico esporte e gosto de me alimentar de forma adequada", comentou.

Casal fica ainda mais unido por conta do esporte

E na casa da Adeli ela não está sozinha. O marido, Izaias Gavina, de 55 anos, também é do mundo dos esportes. Corredor de longas distâncias, o supervisor industrial concilia a rotina do trabalha com os treinamentos, que são intensos.

Foto: Arquivo Pessoal

"Acordo bem cedo para trabalhar. Mas quando volto, lá pelas 18h, eu já me preparo para fazer meu treinamento. Faço de 15km a 20km por dia, quatro vezes na semana. Meu objetivo é participar de meias e maratonas", disse Izaias que inseriu a corrida na sua vida há cerca de oito anos.

Sobre os benefícios que o esporte trouxe para sua vida, ele lista alguns. "A atividade física é um investimento. A saúde da gente melhora muito. Dificilmente eu vou ao médico. No meu trabalho, as pessoas me veem como referência. Muita gente começou a correr depois de ver minha rotina.'

Neste ano, das seis corridas de rua que Izaias participou, ele subiu no pódio em cinco. A parceria de vida saudável junto da esposa é um incentivo a mais para o casal.

"É muito bom que nós temos esses hábitos de praticar esporte. A gente se entende bem. Sai para comprar tênis juntos, para comprar roupa, é bem legal e incentiva bastante".

Ninguém para Laécio Nunes nos ringues

Nos ringues, há quem também tenha feito história. O lutador de kickboxing Laécio Nunes, está quase fazendo 50 anos, mas prova que tem fôlego e força de garoto. Ele nunca perdeu uma luta na carreira e já fez combates com adversários quase 30 anos mais jovem. E venceu todos.

"Tenho 48 lutas e 48 vitórias. Não é fácil me manter bem para encarar adversários bem mais novos que eu. Mas minha vida é toda voltada para o esporte. Eu treino todos os dias, tenho uma alimentação saudável. Eu me cuido desde muito tempo e isso é reflexo do meu desempenho', comentou.

Laécio pretende continuar lutando até completar 50 combates. Eles já foi campeão mundial e soma títulos no Estado e no exterior, que o credenciam como um dos maiores nomes do esporte por aqui.

"A luta é minha vida e o vovô aqui ainda tem fôlego para chegar às 50 lutas. Esse é meu objetivo. Espero chegar aos 50 com essa vitalidade

Cardiologista Fabrício Thebit Bortolon fala sobre esporte de alto rendimento em idades mais avançadas

Cardiologista Fabricio Thebit Bortolon
Cardiologista Fabricio Thebit Bortolon
Foto: Guilherme Ferrari

Cada vez mais a gente vê a população idosa praticando exercícios e tendo uma expectativa de vida maior. Essas pessoas que praticam esporte de alto rendimento com uma idade mais avançada certamente foram aumentando a intensidade dos treinos gradativamente. Por isso conseguiram chegar ao nível que estão. Mas para quem tem essa rotina e já passou dos 60, principalmente, precisa estar sempre supervisionado. Para se saber se o exercício está moderado, a gente tem uma fórmula. Pega-se o número 220  diminui a idade  e o resultado dá a frequência cardíaca máxima da pessoa. Aí é só tentar deixar a frequência cardíaca em até em 70% desse valor. Se a pessoa não tiver um medidor de frequência, que são aqueles relógios que muita gente usa, podemos calcular de forma simples. Se você consegue falar fazendo o exercício, mas não consegue cantar, esse é o nível em que a frequência está moderada. É sempre bom ressaltar que o esporte e a atividade física ajudam a controlar doenças crônicas. O exercício aeróbico é responsável pelo bem-estar, porque libera a endorfina, diminui os níveis de glicose no sangue e só traz benefícios se feito corretamente e com acompanhamento de profissionais da área. 

Profissional de educação física, Jonathan Ribeiro explica benefícios e cuidados no esporte

Jonathan Ribeiro, profissional de educação física
Jonathan Ribeiro, profissional de educação física
Foto: Arquivo Pessoal

A população de idosos vem crescendo de forma importante no mundo e a atividade física aparece como uma forma de permitir que os indivíduos mais velhos tenham mais saúde e se tornem mais independentes. Muitos deles, optam em fazer algum tipo de esporte como um passa tempo, e alguns acabam levando mais a sério e se tornando um atleta de alto rendimento .

O esporte traz vários benefícios como: melhoria socialização e afetividade, controle de doenças crônicas e articulares, resistência aeróbia, melhora do equilíbrio e da marcha, melhora da autoestima e autoconfiança e aumento da massa muscular.

Contudo, antes de iniciar qualquer pratica de exercício físico ou esporte é necessário que o idoso saiba como sua saúde esta atualmente, realizando uma avaliação medica previa e exames clínicos completos, sendo assim, o profissional de educação física fará o controle dentro da capacidade fisiológica e funcional do praticante idoso na pratica do exercício físico ou do esporte. 

Ver comentários