Notícia

Capixaba Patrícia Pereira quebra recorde brasileiro nos 50m peito

A nadadora é um dos grandes destaques do Brasil no Parapan-Pacífico de Natação, na Austrália

A capixaba Patrícia Pereira foi prata nos 50m peito do Parapan-Pacífico
A capixaba Patrícia Pereira foi prata nos 50m peito do Parapan-Pacífico
Foto: Facebook

O segundo dia de finais do Parapan-Pacífico de natação rendeu à delegação brasileira dois novos recordes brasileiros e sete medalhas, sendo duas de ouro, três de prata e duas de bronze. A capixaba Patrícia Santos quebrou o recorde brasileiro nos 50m peito (SB3). Ao finalizar a prova em 1min02s62, ela garantiu vaga na final e a nova marca nacional. Na disputa por medalhas, Patrícia ficou com a prata (1min02s80). Na etapa da Itália da World Series, em maio, ela havia estabelecido 1min02s98 como melhor marca nacional.

O outro recorde brasileiro veio com o carioca Caio Oliveira (da classe S8) nos 100m livre com a marca de 1min01s34, que também lhe garantiu a medalha de bronze. 

Mais uma medalha na bagagem

Principal atleta do Espírito Santo na natação paralímpica na atualidade, Patrícia Pereira já havia faturado uma medalha de ouro no primeiro dia do Parapan-Pacífico. Na quinta-feira, a nadadora capixaba foi medalha de ouro na prova do revezamento misto 4x50 metros livre. Para chegar ao feito Patrícia Pereira contou com a parceria de Joana Neves, Daniel Dias e Talisson Glock.

Patrícia Pereira foi campeã no revezamento 4x50m livre no Parapan-Pacífico de Natação
Patrícia Pereira foi campeã no revezamento 4x50m livre no Parapan-Pacífico de Natação
Foto: Divulgação

O quarteto terminou a prova com o tempo de 2min25s12, 30 centésimos abaixo dos 2min25s45 estabelecidos também pela equipe nacional, nos Jogos Paralímpicos do Rio 2016. Na ocasião, a equipe ficou com a prata.

“É uma honra competir representando meu país. Estar nadando ao lado dos melhores atletas do Brasil é muita responsabilidade, já que sou a mais nova do time. Posso dizer que meus treinos têm sido satisfatórios e o foco continua em Tóquio”, disse Patrícia Pereira.

Ver comentários