Notícia

Motorista da Uber nega acusação de estupro e procura a polícia

Autora de áudio que narra crime foi identificada, mas ela alega não ter associado o fato ao motorista Jonathan

Conversa: motorista da Uber desmente acusação de estupro e recorre à polícia
Conversa: motorista da Uber desmente acusação de estupro e recorre à polícia
Foto: Reprodução

Jonathan Laurindo da Cunha, de 27 anos, ficou sabendo na última quinta-feira (24), por meio de uma amiga, que estava sendo acusado — injustamente, segundo o motorista — de estuprar uma mulher durante o trabalho. A acusação circulava por grupos de WhatsApp com áudios e fotos.

Desempregado, ele começou a trabalhar como motorista da Uber há três meses, e, após a circulação da acusação, já contabiliza redução do número de corridas pelo aplicativo.

De acordo com ele, a corrida sequer aconteceu, e ele não sabe quem começou a espalhar sua foto vinculada ao áudio que o incrimina. "Minha amiga recebeu, em um grupo, uma foto minha e um áudio. Acionei meu advogado e nós localizamos a autora do áudio. Ela diz que só repassou o áudio, mas sem fotos", afirma. O jovem não desconfia de quem pode ter começado a espalhar o boato envolvendo seu nome. 

"A autora do áudio até admitiu que repassou a gravação, mas sem fotos, e que o fato realmente havia acontecido com ela. Eu acredito até porque se você ouvir, ele (o áudio) não faz nenhuma menção a mim", justifica. 

Sabendo da história, Jonathan foi à Delegacia de Repressão a Crimes Eletrônicos, na última sexta-feira (25) e anexou ao Boletim de Ocorrência (BO) que registrou prints, identificação da autora do áudio e fotos que mostram conversas que o acusam em grupos do WhatsApp. "De lá para cá, percebi que quando eu aceito uma corrida por meio do aplicativo as pessoas estão cancelando", lamenta. 

Jonathan detalha um episódio desta terça-feira (29), em que chegou a ir à casa de uma moça para buscá-la, e que foi abordado por ela, pessoalmente, querendo cancelar o serviço alegando que uma amiga iria pegá-la. "Mas eu estacionei em um lugar próximo, esperando uma nova corrida, e vi que ela entrou em outro carro da Uber", frisa. 

OUTRO LADO

Leia também

Questionada pela reportagem, a titular da Delegacia de Repressões aos Crimes Eletrônicos (DRCE), Cláudia Dematté, confirma que o caso está sob investigação da polícia. 

O Gazeta Online também procurou a Uber para ter um posicionamento oficial da empresa. Por telefone, a assessoria de imprensa esclarece que precisa reunir mais informações para cruzar dados e verificar a situação dos parceiros, como são chamados os motoristas junto à companhia. 

PUBLICAÇÃO NO FACEBOOK

Dada a orientação do advogado com o qual entrou em contato, Jonathan resolveu fazer uma publicação em uma rede social para esclarecer os fatos, já que observou que a acusação estava tomando proporções muito grandes. 

Às 14h30 desta quarta-feira (30), a postagem somava 450 compartilhamentos, mais de 350 reações e 166 comentários. Na publicação, o jovem mostrou fotos do BO, prints das conversas de grupos de WhatsApp e um vídeo em que esclarece o fato e reforça que não é ele o motorista citado no áudio. Este, já tem mais de 33 mil visualizações. Veja: 

Ver comentários