Notícia

Moro abre ação contra Gim Argello por R$ 5 mi para livrar empreiteira de CPI

Ex-senador (PTB/DF) vira réu outra vez, agora por supostamente ter recebido propina da Galvão Engenharia em 2014

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom | Agência Brasil

O juiz Sérgio Moro colocou no banco dos réus, outra vez, o ex-senador Gim Argello (PTB/DF), sob acusação de ter recebido propina de R$ 5 milhões da Galvão para blindar a empresa na CPI da Petrobrás, em 2014. Argello era vice-presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito.

Argello, já condenado na Operação Lava Jato, a 11 anos e oito meses de reclusão, é acusado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, crimes que teria praticado para obstruir a CPI.

> Alvaro Dias diz que convidará Sérgio Moro para Ministro da Justiça

A propina teria sido repassada sob pretexto de ‘doação’ para campanha eleitoral.

A reportagem está tentando contato com a defesa do ex-senador e com a empresa.

Ver comentários