Notícia

Decreto prorroga uso das Forças Armadas em Roraima até fim de outubro

Decreto foi assinado por Temer sem a concordância do governo local, que não quer reconhecer que precisa de ajuda na área de segurança pública

Militares do Exército em Roraima
Militares do Exército em Roraima
Foto: Divulgação/Ascom

O Diário Oficial da União traz a publicação do Decreto 9.501, que prorroga o período para o emprego das Forças Armadas para a Garantia da Lei e da Ordem (GLO) em Roraima. O decreto anterior expirava nesta quarta-feira, 12. Agora, a GLO em Roraima foi prorrogada até 30 de outubro, dois dias depois do segundo turno das eleições.

O Decreto publicado nesta quarta-feira diz ainda que as Forças Armadas atuarão também na proteção das instalações e das atividades relacionadas ao acolhimento de refugiados.

Leia também

Roraima tem enfrentado conflitos com o aumento da chegada de venezuelanos ao Brasil, com o agravamento da crise no País vizinho. A decisão de prorrogar foi tomada depois de a tensão entre brasileiros e venezuelanos ter aumentado na última quinta-feira, quando um venezuelano e um brasileiro morreram. O venezuelano foi assassinado a pedradas e pauladas depois de matar um brasileiro com uma facada. O caso aconteceu após um suposto furto no bairro Jardim Floresta, localizado na vizinhança de um abrigo improvisado na rua, com mais de 300 venezuelanos, em Boa Vista.

O primeiro decreto foi assinado em 29 de agosto, após brasileiros atearem fogo em barracas improvisadas de venezuelanos que dormiam nas calçadas de Pacaraima, que fica na fronteira, e queimarem utensílios e roupas dos imigrantes. O decreto de GLO dá poder de polícia para que as Forças Armadas atuem no estado de Roraima. Mas as ações de segurança pública continuam sob responsabilidade da governadora do Estado, Suely Campos.

O decreto do governo federal foi assinado por Temer sem a concordância do governo local, que não quer reconhecer que precisa de ajuda na área de segurança pública. Pelos dados da Polícia Federal, mais de 127 mil imigrantes já atravessaram a fronteira venezuelana com destino ao Brasil. Desse total, 60% já deixaram o Brasil em direção a outros países da América Latina, principalmente Colômbia e Argentina.

Ver comentários