Notícia

Senado facilita internação de usuário de drogas e endurece pena de traficante

Novas regras afetam a internação de usuários de drogas em centros de tratamento contra a própria vontade e também as punições para traficantes; entenda

Cachimbo de crack: uso de drogas
Cachimbo de crack: uso de drogas
Foto: Edson Chagas/Arquivo

O Senado aprovou nesta quarta-feira (15) mudanças na política sobre drogas, facilitando a internação involuntária de dependentes e fortalecendo as comunidades terapêuticas, além de endurecer penas para traficantes ligados a grupos organizados; por outro lado, a pena aplicada ao pequeno traficante poderá ser reduzida. A proposta, que vai à sanção presidencial, foi apresentada pelo ministro da Cidadania, Osmar Terra, em 2013, quando ainda era deputado federal.

> UM TEMA, DUAS VISÕES | Crack: internação é a solução?

Uma das principais mudanças aprovadas afeta a internação de usuários de drogas em centros de tratamento contra a própria vontade. Pela regra atual, familiares, representantes legais ou profissionais responsáveis pela condução da terapia podem determinar o fim do tratamento. Agora, a liberação da internação involuntária somente poderá ser autorizada pelo médico. "É um projeto de largo alcance social", afirmou o relator do projeto, senador Styvenson Valentim (Podemos-RN).

> Polícia desmonta laboratório em Vitória e apreende 40 kg de drogas

A proposta amplia ainda a participação das comunidades terapêuticas no atendimento dos dependentes, uma das políticas já adotadas por Terra à frente da área. A nova determinação classifica como prioritária a abstinência do paciente, deixando em segundo plano a estratégia de redução de danos, há 30 anos usada no país. O governo já prepara uma medida provisória com regras mais duras para essas comunidades.

drogas - tratamento - internação - usuário de drogas

PARA ENTENDER O QUE MUDA

Comunidades terapêuticas

- Modelo sai fortalecido com ampliação da sua participação nos atendimentos de dependentes.

Internação involuntária

- Liberação da internação involuntária agora somente pode ser autorizada por um médico. Antes, parentes ou representantes legais poderiam determinar o fim do tratamento.

Penas e bens

- É elevada a pena mínima para traficantes envolvidos com organizações criminosas, de 5 para 8 anos. Bens dos suspeitos poderão ser alienados de uma forma mais ágil.

PADRONIZAÇÃO

Terra afirmou que a estratégia tem como objetivo padronizar o atendimento. Uma das exigências é de que as unidades tenham sempre um centro de saúde como referência, para caso de urgência e para atendimento de outras doenças dos acolhidos.

> Praça é cercada pelo tráfico de drogas em Vitória

Por definição, as comunidades terapêuticas não podem fazer internação involuntária, sem a anuência do paciente. Mas o presidente da Federação Brasileira de Comunidades Terapêuticas (Febract), Paulo Kurlander, afirma não ser incomum isso ocorrer em falsas instituições. Para ele, a regulamentação por medida provisória poderá melhorar o atendimento.

PENAS

O projeto aprovado nesta quarta também aumenta a pena mínima para o traficante que comandar organização criminosa, de 5 para 8 anos de reclusão, com máximo de 15 anos. O projeto permite a alienação de objetos de qualquer natureza usados no tráfico.

Leia também

Para tentar evitar a aplicação de grandes penas a pequenos traficantes, a proposta cria um atenuante na lei. O projeto prevê a redução da pena quando o acusado não for reincidente e não integrar organização criminosa, ou se as circunstâncias do fato e a quantidade apreendida demonstrarem o menor potencial lesivo da conduta. Nesse caso, a pena deverá ser reduzida de um sexto a dois terços.

O senador Humberto Costa (PT-PE) defendeu a definição de parâmetro mínimo de porte de droga para diferenciar usuário de traficante e a facilitação do processo de importação e comercialização de derivados e produtos à base do princípio ativo da maconha, para uso terapêutico. A sugestão não foi aceita.