Notícia

Exército fica à frente de ação na Amazônia para dar recado

No encontro feito na Esplanada, foi definido que o Exército daria a resposta inicial, com sugestões de uso intensivo de aeronaves, tudo o que rendesse imagens de impacto na TV

Militares do Exército
Militares do Exército
Foto: Divulgação/Ascom

O comportamento agressivo de Jair Bolsonaro (PSL) ao lidar com a escalada de notícias acerca do desmate e de queimadas na Amazônia gerou um princípio de crise no governo nesta quinta (22). Caberá ao Exército, que se considera guardião da região, dar a principal resposta à opinião pública na crise.

Mas foi a ministra Tereza Cristina (Agricultura) que soou o alarme: a rota estabelecida pelo presidente, que chegou a acusar ONGs pelos incêndios e fez piada sobre ser o "capitão motosserra", levaria o Brasil inexoravelmente à condição de vilão ambiental mundial, e teria implicações econômicas sérias.

A ministra se fez ouvida no Planalto. O secretário de Comunicação, Fábio Wajngarten, ajudou a organizar a reunião de oito titulares da Esplanada para convencer Bolsonaro a adotar um plano de contingência para a crise que se avolumou com a radicalização da posição do presidente francês, Emmanuel Macron.

No encontro foi definido que o Exército daria a resposta inicial, com sugestões de uso intensivo de aeronaves, tudo o que rendesse imagens de impacto na TV.

Leia também

Foi ponderada a dificuldade orçamentária da Força, que mal alimenta recrutas nesses dias de contingenciamento, mas o ministro Fernando Azevedo (Defesa) ficou incumbido de apresentar um plano com outras áreas, como Meio Ambiente e Agricultura, para dar visibilidade máxima à ideia de que o Brasil está combatendo as chamas.

A operação de Garantia da Lei e da Ordem para este fim pode ser divulgada já nesta sexta (23), após reunião ministerial no Palácio do Planalto. Bolsonaro deverá também fazer um pronunciamento na televisão, onde o tom tende a ser mais didático do que suas falas públicas recentes, mas no qual será ressaltada a questão da soberania do Brasil sobre a Amazônia.

Tanto no Itamaraty quanto no Planalto, a leitura é que Macron está jogando para seu público interno —o francês enfrenta fortes questionamentos do movimento dos "coletes amarelos" e sua difusa agenda de protestos semanais.

Isso dito, antagonizar Macron no mesmo nível aplicado pelos filhos de Bolsonaro na internet não está sendo aconselhado ao presidente. Eduardo, candidato a embaixador em Washington, postou imagem do francês o chamando de "idiota". Houve péssima repercussão do fato dentro do Itamaraty.

A questão central é ideológica. Bolsonaro vem do Exército, onde a defesa da Amazônia é um ponto central que remete ao começo da República. Nos anos 1910, a extensão da rede telegráfica do Mato Grosso para a Amazônia levada a cabo pelo futuro marechal Cândido Rondon (1865-1958) estabeleceu princípios de integração nacional ensinados em escolas militares até hoje.

Em 1931, o capitão do Exército Mário Travassos (1891-1973) publicou o livro central da doutrina brasileira para a região, "Aspectos Geográficos Sul-Americanos", um dos marcos da geopolítica do país. Ali a ideia do "integrar para não entregar" foi assentada, influenciando o chamado desenvolvimentismo que acompanhou o crescimento econômico até os anos 1980.

A doutrina é parcialmente fundamentada no temor de perda de soberania sobre a Amazônia. Desde a ditadura (1964-85), tal preocupação ganhou contornos paranoicos. Obras foram escritas sobre interesses estrangeiros nos recursos naturais da região, e ações governamentais como abertura de estradas e exploração de garimpos abundaram.

Se a ação de ONGs de fachada mapeando biodiversidade e riquezas minerais é algo aceito por observadores menos ativistas, a ideia de desmembramento da região em nome do internacionalismo nunca encontrou lastro na realidade.

Bolsonaro sempre sinalizou viver imerso nessa visão, dizendo que o país seria uma "virgem que todo tarado quer". Antes de ser candidato a presidente, publicou em rede social um mapa sintetizando a ideia do "triplo A" —o corredor biológico e econômico dos Andes, Amazônia e Atlântico, que seria objeto de desejo das grandes potências. Voltou ao tema na campanha eleitoral e já no cargo.

A isso se soma o discurso também sem base de que estrangeiros querem ver áreas indígenas protegidas como forma de preparar sua independência, ideia bastante comum em quartéis e que alimenta a ojeriza de Bolsonaro à política para o setor feita até seu governo.

O entorno militar de Bolsonaro vai na mesma linha, com o general Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) sendo seu mais vocal representante. Ex-comandante da Amazônia, Heleno não mede palavras quando o assunto é a suposta ameaça à soberania.

O vice-presidente, general Hamilton Mourão, é outro que vai na mesma linha, e foi ele quem deu uma resposta mais objetiva à bobagem dita por Macron sobre a Amazônia ser o "pulmão do mundo". Mesmo o hoje escanteado Eduardo Villas Bôas, ex-comandante do Exército que entrou em choque com a ala dita ideológica do governo, apoiou Bolsonaro.

Com isso, não é casual que o Exército fique à frente da operação agora. É ao mesmo tempo uma satisfação pela gravidade da crise alimentada pelas reações intempestivas de Bolsonaro e também um recado simbólico sobre quem os militares consideram mandar na floresta.