Notícia

Fosfoetanolamina sintética cura o câncer, afirma pesquisador

Segundo o professor, há pelo menos 1,5 mil estudos em todo o mundo sobre o uso da substância entre teses de mestrado e doutorado

O professor aposentado Gilberto Orivaldo Chierice, da Universidade de São Paulo (USP), acredita ter desenvolvido uma substância que pode curar o câncer. Ele coordenou por mais de 20 anos um estudo com a fosfoetanolamina sintética (a fosfoamina), que imita uma substância que já é presente no organismo humano e que sinaliza células cancerosas para a remoção delas pelo sistema imunológico. 

"Não é uma panaceia nem dado em branco. Não é esperança placebo para ninguém. É uma substância idêntica à produzida pelo nosso organismo, só que em um alto nível de pureza e em grandes concentrações", garantiu o pesquisador em entrevista à Rádio CBN Vitória (93,5FM) na manhã desta sexta-feira (16).

Gilberto Orivaldo Chierice acredita ter criado a cápsula que cura o câncer
Gilberto Orivaldo Chierice acredita ter criado a cápsula que cura o câncer
Foto: Reprodução | EPTV

Chierice explica que essa substância é naturalmente produzida dentro das células de músculo longo e no fígado, no retículo endoplasmático, e o que ele fez foi sintetizar isso, em alto nível de pureza e em grande concentração, e encapsular. "Nosso organismo já fabrica a fosfoetanolamina com o mesmo propósito: nos defender durante todo o tempo de células que se diferenciam". 

Quando os estudos começaram, na década de 1990, um hospital da região, junto com o professor, pediram autorização ao Ministério da Saúde para experimentos. Foram feitos todos os protocolos. Os pacientes teriam que concordar e assinar um documento de que experimentariam uma substância em teste. Antes, porém, o pesquisador já havia aplicado a substância em animais. "Para nossa surpresa, a substância não produziu nos animais nenhum efeito tóxico nem nocivo. Isso nos animou muito", contou.

Sobre a dosagem correta, o pesquisador fez questão de esclarecer que não é médico e que não tinha contato com os pacientes. "Foram os oncologistas que colocaram a quantidade da substância por dia para cada caso de paciente com câncer. Eles, os médicos, têm um equilíbrio que calcula ácido graxo no sangue e depois passa a dosagem correta da fosfoetanolamina sintética", disse. E ainda continuou: "A área médica nunca foi explorada por nós. Meu papel foi sintetizar a produção da substância com altíssimo nível de pureza e alto rendimento, se não o custo seria muito elevado".

Durante os anos em que havia um convênio com um hospital, o pesquisador conta que teve retorno positivo dos oncologistas que trabalhavam com a substância criada por ele. "Depois que o convênio terminou, e o hospital não quis continuar com o experimento, os médicos oncologistas mandavam os pacientes pegarem as cápsulas comigo. Comecei a distribuir. Só que isso chegou num voluma incontrolável", afirmou.

Cápsulas de fosfoetanolamina sintética foram utilizadas por oncologistas em pacientes com câncer e deram retornos positivos, segundo o pesquisador
Cápsulas de fosfoetanolamina sintética foram utilizadas por oncologistas em pacientes com câncer e deram retornos positivos, segundo o pesquisador
Foto: Divulgação

A polêmica ganhou maior proporção ainda quando uma portaria da universidade proibiu a distribuição até o registro junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e pacientes que tinham conhecimento dos estudos entraram na Justiça para obter as cápsulas. A distribuição continua gratuita, mas somente para quem conseguir uma liminar para a liberação.

Segundo o professor, há pelo menos 1,5 mil estudos em todo o mundo sobre o uso da substância entre teses de mestrado e doutorado. O professor, que tem a patente e a fórmula, alega que basta apenas um órgão governamental apoiá-lo que a substância poderia ser produzida em escala e continuar sendo distribuída gratuitamente.

Desabafo

"Não existe no mercado a substância com essa pureza e composição. Há médicos oncologistas com teses de mestrado e trabalhos publicados sobre a fosfoetanolamina sintética. Tudo isso está publicado. Há 8 ou 9 trabalhos internacionais sobre o mecanismo da substância. Sempre abri a minha pesquisa para quem quiser fazer junto. Ninguém chegou e falou que vai testar e dizer que não serve. Venham aqui comprovar que não funciona. Façam o que falta fazer. Eu não posso fazer dados clínicos. Não sou médico. A pesquisa de medicamentos é feita em várias partes. Segue todo um caminho até dizerem: 'Não funciona' ou 'Funciona'. A Medicina tem que provar. E a fosfoetanolamina sintética é reconhecida por uma série de oncologistas do país. Se dependesse só de mim, eu já teria feito tudo", disparou.

Nota da USP

Considerando a repercussão de notícias vinculadas na imprensa sobre a distribuição de fosfoetanolamina para fins medicamentosos no tratamento de câncer pelo Instituto de Química de São Carlos (IQSC) da Universidade de São Paulo (USP), vimos a público apresentar os seguintes esclarecimentos:

A substância fosfoetanolamina foi estudada de forma independente pelo Prof. Dr. Gilberto Orivaldo Chierice, outrora ligado ao Grupo de Química Analítica e Tecnologia de Polímeros e já aposentado. Esses estudos independentes envolveram a metodologia de síntese da substância e contaram com a participação de outras pessoas, inclusive pessoas que não têm vínculo com a Universidade de São Paulo.

Chegou ao conhecimento do IQSC que algumas pessoas tiveram acesso à fosfoetanolamina produzida pelo citado docente (e por ele doada, em ato oriundo de decisão pessoal) e a utilizaram para fins medicamentosos.

Em vista da necessidade de se observar o que dispõe a legislação federal (lei no 6.360, de 23/09/1976 e regulamentações) sobre drogas com a finalidade medicamentosa ou sanitária, medicamentos, insumos farmacêuticos e seus correlatos, foi editada em junho de 2014 a Portaria IQSC 1389/2014 (clique aqui para ver a Portaria), que determina que tais tipos de substâncias só poderão ser produzidas e distribuídas pelos pesquisadores do IQSC mediante a prévia apresentação das devidas licenças e registros expedidos pelos órgãos competentes determinados na legislação (Ministério da Saúde e ANVISA).

A Portaria IQSC 1389/2014 não trata especificamente da fosfoetanolamina, mas sim de todas e quaisquer substâncias de caráter medicamentoso produzidas no IQSC. Essa Portaria apenas enfatiza a necessidade de cumprimento da legislação federal e não estabelece exigências ou condições adicionais àquelas já determinadas na lei.

Desde a edição da citada Portaria, o Grupo de Química Analítica e Tecnologia de Polímeros não apresentou as licenças e registros que permitam a produção da fosfoetanolamina para fins medicamentosos. Sendo assim, a distribuição dessa substância fere a legislação federal.

A Universidade de São Paulo, ademais, não possui o acesso aos elementos técnico-científicos necessários para a produção da substância, cujo conhecimento é restrito ao docente aposentado e à sua equipe e é protegido por patentes (PI 0800463-3 e PI 0800460-9).

Cabe ressaltar que o IQSC não dispõe de dados sobre a eficácia da fosfoetanolamina no tratamento dos diferentes tipos de câncer em seres humanos – até porque não temos conhecimento da existência de controle clínico das pessoas que consumiram a substância – e não dispõe de médico para orientar e prescrever a utilização da referida substância. Em caráter excepcional, o IQSC está produzindo e fornecendo a fosfoetanolamina em atendimento a demandas judiciais individuais. Ainda que a entrega seja realizada por demanda judicial, ela não é acompanhada de bula ou informações sobre eventuais contraindicações e efeitos colaterais.

Destaca-se também que a Portaria IQSC 1389/2014 não proíbe a realização de pesquisas em laboratório com a fosfoetanolamina ou com qualquer outra substância com potencial propriedade medicamentosa, sendo que quando as pesquisas envolverem estudos em animais ou seres humanos deve ser observada a respectiva legislação federal, como a Resolução no 466/2012 do Conselho Nacional de Saúde.

O Instituto de Química de São Carlos lamenta quaisquer inconvenientes causados às pessoas que pretendiam fazer uso da fosfoetanolamina com finalidade medicamentosa. Porém o IQSC não pode se abster do cumprimento da legislação brasileira e de cuidar para que os frutos das pesquisas aqui realizadas cheguem à sociedade na forma de produtos comprovadamente seguros e eficazes.

Ver comentários