Notícia

Startup brasileira faz sucesso com maquininha de dízimo para igrejas

Apesar de algumas críticas que acusam o produto de supostamente facilitar a manipulação da fé das pessoas, os criadores garantem que a intenção é justamente deixar o processo de doação mais transparente, seguro e organizado

Foto: Divulgação

Uma startup brasileira do interior do Paraná está fazendo sucesso após ter criado uma maquininha para receber o dízimo dos fiéis. As ofertas, que podem ser feitas em dinheiro, no débito ou no crédito, são registradas em um sistema integrado com a gestão da igreja. Apesar de algumas críticas que acusam o produto de supostamente facilitar a manipulação da fé das pessoas, os criadores garantem que a intenção é justamente deixar o processo de doação mais transparente, seguro e organizado.

Leia também

No momento em que o fiel contribui com a oferta, a máquina emite um comprovante e computa a contribuição. No caso de pagamentos com cartões, as bandeiras aceitas são Visa e MasterCard. Cada dizimista poderá ter um cartão ou chaveiro personalizado para utilizar como identificador, e ,ao fazer a devolução, basta aproximar a máquina que ela reconhecerá o fiel. As contribuições também podem ser feitas de forma anônima.

Com a tecnologia, a tesouraria tem acesso aos relatórios por período, por forma de pagamento, por gráficos de arrecadação, entre outros detalhes. De forma organizada, as igrejas conseguem acompanhar as doações e prestar conta com transparência à comunidade.

A IDEIA

Máquina de cartão permite pagar dízimos no crédito ou no débito
Máquina de cartão permite pagar dízimos no crédito ou no débito
Foto: Divulgação

A novidade foi criada por três amigos que trabalhavam juntos em uma grande empresa de tecnologia, além de conviverem na mesma paróquia na cidade de Dois Vizinhos, no Paraná. Convictos dos benefícios da tecnologia, o trio decidiu realizar o sonho de montar o próprio negócio e ajudar a igreja.

"Nós não influenciamos na forma como a igreja pratica seus dízimos. A maquininha é um auxílio para esta prática. Tem igreja que trabalha com envelope, outras com a contribuição na secretaria do local. Os clientes nos procuram por conta das funcionalidades que temos", afirmou o sócio-proprietário Romulo Mateus Duarte.

Ainda de acordo com Romulo, a maquininha também traz segurança e praticidade. "Cada vez mais as pessoas não levam dinheiro no bolso, além da praticidade de não ter que ir no banco fazer um saque. Outro fator é a segurança. Há casos de quadrilhas especializadas em assaltar igrejas depois do culto. Elas aguardam acabar a celebração, anunciam o assalto e levam o dinheiro das ofertas", pontuou.

No começo, o trio criou o ticket para facilitar as vendas em festas, seminários e congressos. Depois, surgiu a ideia de auxiliar na contribuição do dízimo. Presente em 12 estados do país, o "DízimoFiel" afirmou que ainda não tem clientes no Espírito Santo. A startup atende todas as religiões.

Ver comentários