Notícia

Caso Milena Gottardi: último dia de audiências ocorre nesta sexta

Serão ouvidas duas testemunhas de defesa de Hilário Frasson, entre eles o padre Luchi e, em seguida, os seis réus

Viaturas chegando ao Fórum Criminal de Vitória para audiência do caso Milena Gottardi
Viaturas chegando ao Fórum Criminal de Vitória para audiência do caso Milena Gottardi
Foto: Bernardo Coutinho | Arquivo | GZ

O último dia de audiência do caso Milena Gottardi ocorrerá nesta sexta-feira (23), a partir das 9 horas, no Fórum Criminal de Vitória. Serão ouvidas duas testemunhas de defesa do policial civil Hilário Frasson, entre eles o padre Pedro Luchi e, em seguida, os seis réus. A médica foi baleada no estacionamento do Hucam, no dia 14 de setembro do ano passado, e teve morte cerebral declarada no dia seguinte. O ex-marido é acusado de ser um dos mandantes do crime.

A primeira pessoa a ser ouvida será Luchi, que celebrou o casamento da médica com o policial. Na época do crime, ele disse que ficou em choque com a notícia. “O que aconteceu feriu a todos nós. Agora é ter fé em Deus para cicatrizar todas as feridas”, declarou. Logo após o padre, será a vez do empresário Gustavo Pimentel Simões. Ele e Luchi seriam ouvidos no dia 30 de janeiro, mas alegaram estar viajando na data.

Leia também

Em seguida, será a vez dos réus: o ex-marido, Hilário Frasson, e o sogro, Esperidião Frasson, ambos acusados de serem os mandantes do crime; Valcir da Silva Dia e Hermenegildo Palaoro Filho, apontados como os intermediários; Dionathas Alves Vieira, acusado de ser o executor; e Bruno Broetto, que teria fornecido a moto para o crime. O juiz da 1ª Vara Criminal Marcos Sanches pode modificar a ordem.

Para o advogado de acusação Renan Sales, já há prova suficiente da participação dos suspeitos. “Já há prova forte de autoria e materialidade criminosa dos seis acusados que vitimou Milena. Negar os fatos é uma mera tentativa de exercer a defesa”, disse.

No entanto, o advogado Leonardo Rocha, defensor de Bruno e Dionathas, aponta que será um dia decisivo para se fazer Justiça. “Será o dia de separar o joio do trigo, evitando nesse processo uma condenação por 'atacado' ou por 'combo', visto que, após a oitava de mais de 15 testemunhas de acusação, verificou-se que nenhum deles afirmou o envolvimento do Bruno no crime e nem mesmo do suposto roubo da moto utilizada”, afirma.  “Já Dionathas poderá continuar colaborando com os fatos”, conclui.

OUTRAS TESTEMUNHAS

As audiências com testemunhas de defesa e acusação começaram nos dias 16 e 17 de janeiro, quando no total 17 depoentes foram ouvidos. As audiências tiveram continuidade nos dias 30 e 31 do mesmo mês, quando mais 12 testemunhas foram ouvidas. Entre elas, a mãe de Milena, Zilca Gottardi, e o irmão, Douglas Gottardi. Alguns depoimentos estão sendo feitos por carta precatória.

Ver comentários