Notícia

Cariacica: médico atua há 47 anos e foi 1º servidor da saúde na cidade

Aurédio José do Couto, de 71 anos, também já atuou como vereador no município

Médico Aurédio José do Couto
Médico Aurédio José do Couto
Foto: Reprodução | Vídeo | Internauta

O médico Aurédio José do Couto, de 71 anos, que protagonizou um quebra-quebra dentro da Unidade de Saúde de Jardim América, em Cariacica, na manhã desta terça-feira (15) foi o primeiro servidor da Saúde do município. Segundo a secretária municipal de Saúde, Stéfane Legran Vilaça Macedo, ele ainda é o funcionário número dois de toda a prefeitura. 

"Ele trabalha em Cariacica desde 1971. Ele acompanhou o desenvolvimento da comunidade de Jardim América e fez parte da construção daquela unidade de saúde. Ele é parte da história do município", conta.

Além de atuar como clínico geral, Aurédio também já foi secretário de saúde e vereador em Cariacica."É uma pessoa que tem nosso profundo respeito, que contribui muito para a saúde no município. Vamos conversar com a família para tentar entender o que levou àquela situação", disse a secretária.

INTIMAÇÃO

A Polícia Civil informou na noite desta terça-feira (15) que vai intimar o médico para depor. Segundo o delegado André Luiz Landeira, ele deverá comparecer à delegacia, em Campo Grande, nos próximos dias ou na semana que vem. 

Landeira explicou que o inquérito já está instaurado, mesmo que a Prefeitura de Cariacica não registre um boletim de ocorrência. Por se tratar de dano contra o patrimônio público, é dever da polícia investigar. Segundo a secretária de saúde de Cariacica, Stéfane Legran Vilaça Macedo, um boletim de ocorrência foi registrado pela prefeitura.

A Polícia Civil já esteve na unidade de saúde de Jardim América e ouviu algumas testemunhas. Se condenado, o médico que depredou o local pode cumprir pena de detenção de seis meses a três anos.

INSATISFAÇÃO

Para a prefeitura, o médico estava insatisfeito com as condições de trabalho e ainda foi "incitado pela população". "Ele estava irritado por conta do remanejamento das salas e a população acabou incitando essa revolta, aí ele encontrou respaldo. Ninguém pediu para ele parar", avaliou a secretária, Stéfane Legran Vilaça Macedo. 

No vídeo (veja abaixo), é possível ouvir pessoas falando "quebra mais, dá mais pancadas aí", mas também houve quem gritasse:"Para, doutor. Calma!". 

Aurédio José do Couto trabalha como médico na Prefeitura de Cariacica desde 1971. Ao chegar para trabalhar na manhã desta terça-feira (15), ele se revoltou com as falta de local para atender os pacientes e quebrou cadeiras de plástico e gavetas. Segundo a prefeitura, a sala onde o médico costumava realizar os atendimentos estava interditada, pois a unidade de saúde passa por reformas na área e fisioterapia. 

Leia também

 Enquanto a situação na se resolve, o médico foi liberado pela prefeitura. "Vamos conversar com ele, com a equipe de Saúde, com a família e ver o que vamos fazer, se ele vai voltar a trabalhar, se vai se aposentar. É escolha dele", disse Stéfane. 

Um boletim de ocorrência foi registrado na Polícia Civil e também foi aberto um processo administrativo disciplinar contra o médico. "O PAD (processo administrativo) é pelos danos materiais. Mas isso é o que menos importa agora", afirma. 

O CASO

Vídeo e fotos feitas por um paciente que aguardava atendimento no local mostram gavetas destruídas e prontuários médicos completamente bagunçados. Por conta da confusão o atendimento ficou paralisado por pelo menos 30 minutos, mas já voltou ao normal. 

O operador de máquina Juscelino Boecker, de 39 anos, era um dos pacientes que aguardava atendimento no local e presenciou a confusão.  Ele tinha uma consulta marcada para as 7h30, para dar andamento ao pedido de realização de uma cirurgia, e cerca de uma hora depois do horário marcado ainda não havia sido atendido.

"Ele (médico) chegou agitado aqui de manhã e logo começou a reclamar com os colegas que não tinha sala para ele trabalhar, para atender os pacientes. Foi lá para dentro, quebrou cadeiras e lixeira em uma sala e depois veio aqui para o corredor, entrou na recepção e quebrou tudo. Ele ficou revoltado com a falta de condições de trabalho, jogou tudo no chão, quebrou gaveta, uma confusão", contou o paciente.

O pintor Clóvis Dias, 60 anos, também viu a confusão começar: "Eu tava lá dentro e de repente ele chegou perguntou o pessoal onde ele ia atender e aí ele começou a conversar lá dentro e alguém respondeu "se vira aí". Aí ele começou a falar que toda vez que vem aqui não tem onde atender, que ele já atendeu até na cozinha por que não tinha lugar. E foi aí que ele começou a quebrar as coisas".

VÍDEO MOSTRA REVOLTA DO MÉDICO

SALA EM REFORMA

Por nota, a Secretaria Municipal de Saúde informou que a unidade de saúde de Jardim América passa por uma reforma para receber um centro de reabilitação. "Com isso, o médico ficou nervoso e quebrou quatro cadeiras plásticas e duas gavetas do armário", diz a nota.

Além da abertura de um processo interno para apurar o acontecido e os prejuízos materiais, a secretaria informou que vai verificar se houve algum acontecimento que possa ter motivado a situação. "Enquanto isso, os atendimentos realizados pelo médico serão remanejados para outros profissionais. O serviço do médico está suspenso até que aconteça uma reunião entre a Equipe de Atenção à Saúde e o servidor. O afastamento só é possível a partir da conclusão do Processo Administrativo Disciplinar."

O atendimento na unidade de saúde foi normalizado ainda na manhã desta terça.

Leia também

'MÉDICO VAI PAGAR POR OBJETOS QUEBRADOS'

Ainda segundo o subsecretário, o médico Aurédio José do Couto não será punido e já se ofereceu para pagar os objetos que quebrou.

"De forma alguma ele será preso, não agrediu ninguém. Nós vamos voltar a conversar com ele para ver que medida podemos tomar. Sempre foi um profissional excepcional, sempre dedicado ao nosso município. Ele está mais tranquilo, pedimos para ele ir para casa descansar e depois ele vai retornar a trabalhar. Nós vamos fazer o levantamento do que foi destruído. Ele já se colocou a disposição para pagar", concluiu.

 

 

Ver comentários