Notícia

Rodoviários discutem aderir ao protesto dos caminhoneiros no ES

A informação foi confirmada pelo presidente do sindicato, Edson Bastos

Edson Bastos, presidente Sindirodoviários, disse que sindicato pode aderir ao movimento dos caminhoneiros a qualquer momento
Edson Bastos, presidente Sindirodoviários, disse que sindicato pode aderir ao movimento dos caminhoneiros a qualquer momento
Foto: Carlos Alberto Silva

O Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado do Espírito Santo (Sindirodoviários) estuda aderir ao movimento dos caminhoneiros, que protestam pelo alto preço dos combustíveis. A informação foi confirmada pelo presidente do sindicato, Edson Bastos.

Procurado pela reportagem do Gazeta Online, o presidente do Sindirodoviários afirmou que avalia a legalidade da greve antes de tomar qualquer decisão, mas garantiu que uma paralisação pode acontecer a qualquer momento.

"Estou vendo com o jurídico a legalidade, se é preciso avisar antes ou não (a paralisação). Estamos querendo aderir ao movimento dos caminhoneiros sim. Ainda não tem previsão, mas pode ser a qualquer momento", disse Bastos.

REUNIÃO ÀS 17H

Ainda segundo o presidente do Sindirodoviários, a expectativa é de que, a partir das 17 horas, ocorra uma reunião interna no sindicato para que possa ser avaliada a possibilidade deles aderirem à paralisação dos caminhoneiros.

NOTA DO GVBUS

O GVBus informa que até o presente momento não há nenhuma manifestação por parte dos funcionários das operadoras do Sistema Transcol de adesão ao movimento de greve conforme indicado pelo Sindirodoviários. Motoristas e cobradores das empresas estão trabalhando normalmente.

Destacamos que, de acordo com a lei, qualquer movimento de greve precisa ser decidido em assembleia geral dos trabalhadores, convocada por meio de edital publicado em jornal de grande circulação. Após deliberação, também é necessário dar ampla publicidade ao movimento, em um prazo de 72 horas anteriores à manifestação, informando à população os motivos e a data de início da greve.

SEM GARANTIA DE ÔNIBUS NOS PRÓXIMOS DIAS

Com a falta de combustível, a GVBus também afirmou que garante a circulação do Transcol nesta quinta-feira (24), mas deixou sem resposta os questionamentos sobre o funcionamento dos ônibus nesta sexta e também nos próximos dias. 

Em Vitória, o Setpes informou na tarde desta quinta-feira (24) que, a partir desta sexta-feira (25) e enquanto durar a paralisação nacional dos caminhoneiros — que afeta o abastecimento de combustível das empresas — a frota do sistema municipal de ônibus será reduzida em aproximadamente 30%.

Nos dias úteis, o sistema passará a operar com horário de sábado, com exceção das seguintes linhas: 010, 010A, 121, 124, 203, 211, 214, 302, 331 e 333. Por serem linhas com maior volume de passageiros, essas manterão a operação normal de dia útil.

Já as linhas 110, 290 e 295, que operam o serviço Seletivo, não irão operar.

O sistema será restabelecido assim que o abastecimento de combustível das empresas for normalizado.

Ver comentários