Notícia

Linhares: amigo de pastores será investigado por falso testemunho

Abisaí Junior, que também é pastor e lidera a Igreja Batista Vida e Paz em Conceição da Barra prestou depoimento na 16ª Delegacia Regional de Linhares durante as investigações da polícia

Os pastores Georgeval Alves e Juliana Alves durante culto
Os pastores Georgeval Alves e Juliana Alves durante culto
Foto: Facebook

A pedido do Ministério Público Estadual (MPES), deverá ser aberta uma nova investigação relacionada à morte dos irmãos Kauã e Joaquim em um incêndio criminoso, em Linhares. Desta vez, trata-se de um falso testemunho prestado à polícia por um pastor amigo de Georgeval Alves Gonçalves e da esposa , também pastora, Juliana Sales. O casal é réu em uma ação penal, onde responde pelos homicídios dos filhos.

> TRAGÉDIA EM LINHARES | A cobertura completa

A requisição de abertura de inquérito por falso testemunho foi feita pela promotora Rachel Tannembaun, da 2ª Promotoria Criminal de Linhares, e encaminhado na tarde desta terça-feira (26) para a polícia. Será investigado Abisaí Junior, um dos líderes da Igreja Batista Vida e Paz em Conceição da Barra, amigo pessoal de George e Juliana, também pastores da mesma congregação. Dias após o incêndio, ele esteve na Delegacia Regional de Linhares, junto de outro pastor e amigo do casal, Eufrásio Marques, que é líder da denominação em Pinheiros. Eles procuraram o delegado para prestar depoimento a pedido dos advogados de defesa de George.

A promotora não deu detalhes sobre o teor do depoimento e nem os motivos pelos quais foi considerado falso, argumentando que estas informações estão relacionados ao caso da morte das crianças, cujo processo está em segredo de Justiça. Já o pedido de abertura de inquérito contra o pastor Abisaí, não tramita em sigilo. Ainda não se sabe qual delegado deverá conduzir as novas investigações solicitadas pelo Ministério Público Estadual.

Leia também

Na Polícia Civil, o inquérito que apurou a morte das crianças foi conduzido por uma força-tarefa, da qual fez parte delegados, peritos e representantes do Corpo de Bombeiros.

Os irmãos Kauã e Joaquim foram mortos em um incêndio criminoso no dia 21 de abril. A polícia concluiu o inquérito policial indiciando o pastor George como o autor dos crimes. O Ministério Público acrescentou o nome da pastora Juliana ao fazer a denúncia, aceita pelo juiz André Bijos Dadalto, da 1ª Vara Criminal de Linhares, na última segunda-feira (18).

O pastor George vai responder na Justiça por dois homicídios qualificados; dois estupros de vulneráveis; dois crimes de tortura; e fraude processual por ter alterado a cena do crime. A pastora Juliana, apesar de não estar em casa no dia do crime, foi acusada de ser omissa por saber dos riscos que as crianças sofriam por estarem sozinhas com George. Ela vai responder também por dois homicídios; dois estupros de vulnerável; e também por fraude processual.

Ver comentários