Notícia

Músico que vive na rua é convidado para dar aulas de violão em projeto

Elias Belmiro hoje vive na rua, mas já deu aula de violão para crianças no Cajun. Secretária de Assistência Social de Vitória fez convite para que ele retorne ao projeto

Solista capixaba Elias hoje vive nas ruas
Solista capixaba Elias hoje vive nas ruas
Foto: Marcelo Prest | GZ

Foi com a música que Elias Belmiro, 50 anos, conquistou uma carreira de sucesso. Perdeu tudo com o álcool. Durante o tempo em que se dedicou a música, o solista renomado - com três CDs gravados - deu aula de violão para crianças no Projeto Caminhando Juntos (Cajun) da Prefeitura de Vitória. Agora, dependente químico e morador de rua, o mesmo projeto quer abrir as portas para Elias e ajudá-lo a se reerguer e superar o vício.

Elias já foi nosso educador no Cajun, ensinava a música para as crianças. Por que não trazê-lo de volta? A gente vai abrir as portas para você, Elias. Dá essa oportunidade para você voltar a ensinar música para as nossas crianças. Força nessa recuperação. As portas vão estar abertas para você
Iohana Kroeling, secretária de Assistência Social

Iohana lembra que precisa partir de quem tem problema com a bebida o desejo de se livrar do vício e que é fundamental o apoio da família. Em Vitória, os familiares podem buscar ajuda e orientação no Centro de Prevenção e Tratamento de Toxicômanos (CPTT), que funciona 24 horas por dia.  

> ENTREVISTA | "Ele tinha um padrão de vida confortável", diz irmão gêmeo de Belmiro

"A princípio, as pessoas não aceitam, dizem 'é só um gole'. Quanto mais a família se aproximar da pessoa, buscar orientação de profissionais, melhor. Temos uma equipe multiprofissional, com psicólogos, médicos, terapeuta ocupacional, assistente sociais que vão orientar essa família em como agir. A aceitação é um momento único e individual de cada um, precisa dessa aceitação para que a pessoa de fato consiga superar o vício", explicou em entrevista ao Bom Dia Espírito Santo.

Elias Belmiro ministrando aula de musicalização para crianças do projeto social Cajun (Caminhando Juntos), em 2005
Elias Belmiro ministrando aula de musicalização para crianças do projeto social Cajun (Caminhando Juntos), em 2005
Foto: Fábio Vicentini | Arquivo GZ

Para ser atendido no CPTT é necessário ser morador de Vitória e solicitar atendimento e ajuda de forma espontânea. O serviço vale tanto para o dependente químico ou alcoólatra, como para a família.  

"A família toda sofre junto. As pessoas que procuram o serviço são acolhidas, é feito um plano individual e terapêutico para cada um. Busca-se o potencial de cada um, o que cada um quer enfrentar, qual o desafio que ele precisa vencer em relação ao vício que ele traz. E aí é feito um plano terapêutico e, através de oficinas, serviços de convivência terapêutica, também de forma medicamentosa, a gente vai trabalhando o paciente para recuperação e superação do vício", detalha a secretária de Assistência Social. 

MÚSICO DEVE SER INTERNADO EM CARIACICA

Elias Belmiro deve ser internado nesta quarta-feira (29) numa casa de recuperação para dependentes químicos localizada em Cariacica. Isso é o que afirma o presidente do Grupo Ajude o Próximo (GAP), Kelvin Amaral. Uma rede de solidariedade se formou para ajudar o músico capixaba depois da reportagem veiculada nesta terça (28), no Gazeta Online.

Segundo o coordenador, Elias já era conhecido pelo grupo e, há algumas semanas, aguardava uma vaga para a internação para tratar o alcoolismo, vício que o levou para a rua. A vaga foi disponibilizada na noite desta segunda-feira (27). O Instituto Ajude o Próximo é conhecido por oferecer café da manhã e outros serviços para pessoas em situação de rua.

CARREIRA

Solista capixaba que vive em situação de rua reencontra Maestro que o regeu em apresentação na Orquestra Sinfônica do Espírito Santo
Solista capixaba que vive em situação de rua reencontra Maestro que o regeu em apresentação na Orquestra Sinfônica do Espírito Santo
Foto: Marcelo Prest

O músico se consagrou como solista, gravou dois CDs instrumentais e tocou no quinteto do violonista Maurício de Oliveira. Seu primeiro álbum, lançado em 1996, dedicado a Vila-Lobos, teve duas faixas compiladas no CD do grupo Time-Life, em que participou artistas internacionais do porte do compositor e maestro americano John Williams.

Além da gravação dos dois álbuns, Elias tocou em países da Europa e se apresentou no antigo Teatro Carmélia com a Orquestra Sinfônica do Espírito Santo sob a regência do maestro Helder Trefzger, em 1992. Na época, o moço jovem com cabelos grandes encantava o público com o som dos solos de seu violão.

A reportagem proporcionou, na segunda-feira (27), o encontro do músico com o Maestro Helder Trefzger, após anos sem contato. Sob a regência do maestro, ele realizou uma apresentação com a Orquestra Sinfônica do Espírito Santo, no Teatro Carmélia, ocorrida em 1992.

Ver comentários