Notícia

Rede do bem: internauta relata depressão e recebe apoio na internet

Vera Lúcia tentou tirar a própria vida duas vezes. Com tratamento e o apoio do filho e de uma amiga, ela está cada dia melhor

Vera Lúcia Gavazza foi diagnosticada com depressão neste ano
Vera Lúcia Gavazza foi diagnosticada com depressão neste ano
Foto: Reprodução/Facebook

A empatia ainda existe. Após a publicação no Gazeta Online da entrevista com o psiquiatra Jovino Araújo sobre suicídio, nesta quinta-feira (23), vários internautas comentaram no post da matéria no Facebook suas próprias experiências relacionadas ao tema. Chegaram a relatar tentativas de tirar a própria vida e as dificuldades de conviver com a depressão. Uma dessas pessoas foi a cuidadora de idosos Vera Lúcia Gavazza, 41 anos, que mora em Vila Velha.

Sei muito bem como é isso. Faço tratamento com psiquiatra. Melhorei muito. Às vezes, tenho recaída. Mas sempre busco ajuda. Tenho um Deus maravilhoso que é super amoroso comigo. Tenho uma amiga que me ajuda muito e um filho pra lá de bom. E um médico excelente. Não é frescura
Vera Lúcia

Com o depoimento da Vera, outros internautas mostraram solidariedade e ofereceram ajuda. "Se precisar de uma palavra amiga, de conversar, estou à disposição". Outro escreveu. "Vou incluir você nas minhas preces. Deus é contigo, conosco".

> Paciente pulou da ponte e se arrependeu antes de morrer, conta médico

E as publicações continuaram. "Parabéns pelo esforço". "Só quem passa por esse problema sabe o que se está passando, as pessoas costumam julgar o sofrimento alheio sem pelo menos procurarem saber sobre o que se está passando com a pessoa. Eu não julgo ninguém, porque o mundo gira, hoje é você quem tá passando por tudo isso, amanhã pode ser eu, ou alguém que eu goste muito".

> 'Depois da depressão tem vida', diz sobrevivente de crise suicida

Em conversa com a equipe do Gazeta Online, Vera contou um pouco mais da sua história. "Fui diagnosticada com depressão ansiosa. Não queria fazer nada. Só ficava no meu quarto. Tentei me matar duas vezes. Mas tenho certeza que foi Deus que impediu. Minha amiga, me vendo triste, me deu um choque de realidade. Me levou ao médico, ia lá em casa com frequência. E até hoje me ajuda".

> Mitos e verdades sobre o comportamento suicida

O filho dela também teve um papel fundamental. 

E meu filho disse assim: Mãe, se a senhora se matar, me mato também. Aí chorei e percebi que o amor dele, de Deus e de minha amiga é maior que tudo. Hoje tenho umas recaídas de tristeza. Mas penso como sou amada por Deus, por meu filho e essa minha amiga. Um outro amigo também conversou comigo. Vi o quanto sou querida. O amor de Deus e das pessoas te salva
Vera Lúcia

Sobre a repercussão do comentário dela, Vera afirmou: "Senti que tem gente sozinha, precisando de amor. Me senti acolhida e que tem gente que se preocupa com o próximo".

> Principais fatores de risco associados ao comportamento suicida

VEJA MAIS COMENTÁRIOS

Faço tratamento desde 2014 quando sofri uma agressão. Fiquei muito abalada e isso me fez perder praticamente tudo que tinha, tentei suicídio cinco vezes, mas acho que ainda não completei minha missão aqui. Hoje me sinto muito melhor, sei que não estou curada, mas é muito difícil lutar sem ajuda ou sendo criticada por uma sociedade hipócrita onde tudo é frescura. Se você tem alguém que está depressivo, dê atenção, carinho, respeito. Ela não quer chamar atenção, ela só quer solução e o fim da dor a qual ela sente.
Internauta no Facebook

"Dá um arrependimento enorme mesmo de ter feito e depois um graças a Deus por não ter conseguido. No fundo a gente sempre tem esperança. Parece que não mas tem."

"Quem diz que o depressivo quer chamar atenção é uma pessoa ignorante, sem empatia e insensível. É o tipo de pessoa que gosta de 'causar na internet' e esquece qual foi o principal mandamento que Jesus deixou."

> Universitária que teve crise suicida diz como buscou sentido de viver

"A dor da alma e pior que a dor do corpo."

"Só quem teve ou tem depressão ou transtorno de ansiedade sabe o que passa ou passou. Nunca foi para chamar atenção... Isso é uma doença precisa ser tratada."

"Passei umas dificuldades: separação, desempregado, tudo ao mesmo tempo. Não tinha o que comer, estava ficando cada vez mais difícil. Eu só não me suicidei por ajuda dos outros. Eu não estaria aqui agora fazendo esse comentário."

Eu vivo essa realidade, tenho muito medo de chegar ao ponto de não ter mais o controle e cometer uma loucura
Internauta no Facebook
Foto: Gazeta Online

Ver comentários