Notícia

Família de mulher queimada pelo ex na Serra pede doação de sangue

A mulher está internada desde o dia 8 de setembro no Hospital Jayme dos Santos Neves e, segundo a família, permanece sedada por conta de uma forte pneumonia e infecção generalizada

Marciana, diarista queimada pelo ex-marido na Serra
Marciana, diarista queimada pelo ex-marido na Serra
Foto: Reprodução | Facebook

A família de Marciane Pereira dos Santos, de 36 anos, que foi queimada pelo ex-marido, o cadeirante André Luiz dos Santos, 36, em frente dos filhos, no bairro Jardim Tropical, na Serra, faz um apelo por doações de sangue. Rosiana dos Santos, irmã da vítima, pede que as pessoas doem sangue de qualquer tipo no Hospital Jayme dos Santos Neves, na Serra, ou no Hemoes, em Maruípe, Vitória.

A mulher está internada desde o dia 8 de setembro na Unidade de Tratamento de Queimados (CTQ) do hospital e, segundo a família, permanece sedada por conta de uma forte pneumonia e infecção generalizada. Para doar sangue, é só dar o nome da vítima em um dos dois lugares.

Hospital Jayme dos Santos Neves

Avenida Paulo Pereira Gomes, Morada de Laranjeiras, Serra

Telefone para contato: 27 3331-7500.

Hemoes

Avenida Marechal Campos, nº 1468, Vitória.

Telefone para contato: 27 3636-7920.

QUEM PODE DOAR

Antes de efetivamente doar sangue, os voluntários passam por uma triagem para avaliar sua condição de saúde e verificar se estão aptos a realizar a doação. Quem tem entre 16 e 69 anos pode se candidatar como voluntário. Para os mais velhos, uma ressalva: só pode doar quem tiver feito a primeira doação até os 60 anos. Já os menores de 18 anos precisam de autorização de um responsável legal.

Os doadores frequentes, sejam homens ou mulheres, devem obedecer ao intervalo mínimo entre uma doação e outra: de dois em dois meses para homens e de três em três meses para mulheres. O interessado em doar sangue deve ir até uma unidade do Hemoes, apresentar um documento oficial com foto e responder a um questionário. Em seguida, passará pela triagem. Caso tenha almoçado, deve aguardar três horas após a refeição para fazer a doação.

O CASO

A diarista foi internada após o ex-marido, um cadeirante, atear fogo no corpo dela em frente aos filhos. Segundo informações de testemunhas, a vítima havia saído da residência para ir à casa de uma vizinha para fazer sopa para os dois filhos. O ex-marido havia retirado o botijão de gãs da casa da diarista sobre o pretexto de que havia sido pago por ele.

Leia também

Desde a separação, o cadeirante passou a morar em cima da casa da ex-esposa, onde reside os pais do suspeito. A diarista morava no local com a filha de 5 anos de um relacionamento anterior e com o filho do casal, de apenas dois anos. Também estavam na casa duas sobrinhas da diarista, ambas adolescentes de 17 anos, que passavam o final de semana com a tia.

Ao retornar para casa, enquanto a sopa cozinhava na casa da vizinha, a diarista foi surpreendida pela presença do ex-marido. No local, ele havia trancado o portão de acesso à casa, impedindo que a vítima entrasse, jogou álcool e ateou fogo.

Em meio ao desespero, uma das sobrinhas da vítima conseguiu jogar água sobre o corpo da tia e apagar parte das chamas. As sobrinhas receberam ajuda de vizinhos que acionaram uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

MPES DENUNCIOU O CADEIRANTE

O Ministério Público do Espírito Santo (MPES) denunciou à Justiça na última quarta-feira (26), o cadeirante André Luiz dos Santos, que é acusado de ter ateado fogo na ex-mulher, a diarista Marciane Pereira dos Santos, de 36 anos. Para o órgão, a motivação do crime foi torpe, devido o ex-marido ter cometido o crime por ciúmes da ex-companheira. O MPES também solicitou a conversão da prisão temporária em preventiva.

O crime aconteceu no dia 22 de agosto, no bairro Jardim Tropical, na Serra. Marciane está internada em estado grave no Hospital Jayme dos Santos Neves e teve que amputar a perna esquerda. Ela teve 40% do corpo com queimaduras de terceiro grau.

Na última segunda-feira (24), André foi indiciado pela polícia e deve responder pelos crimes de tentativa de homicídio qualificado por meio cruel, feminicídio e por impossibilitar a defesa da vítima, além de responder também por furto, já que furtou uma botija de gás da vítima, antes de tentar matá-la. Ele está preso no Centro de Triagem de Viana.

Ver comentários