Notícia

Com saída de médicos cubanos, pacientes temem demora no atendimento

Pacientes atendidos na Serra, por exemplo, elogiam os profissionais cubanos e temem que atendimentos sejam prejudicados após a saída dos médicos

Com a previsão da saída de médicos cubanos do Espírito Santo, já nos próximos dias, devido ao rompimento de Cuba com o Programa Mais Médicos, pacientes nas unidades de saúde temem que o atendimento possa ser prejudicado. Na Serra, por exemplo, 30 médicos cubanos devem deixar o município de uma só vez nos próximos 40 dias.

> Seleção para o Mais Médicos terá limitador de vagas por cidade

A medida acontece após o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), anunciar que vai exigir a revalidação de diplomas para os médicos cubanos que atuam no país e que eles recebam o valor integral dos salários de R$ 11.865,60, já que hoje cerca de 60% a 70% vai para o governo cubano investir nos serviços de educação, saúde, transporte e moradia, oferecidos de graça para a população de lá.

Em boa parte das unidades de saúde da Serra tem pelo menos um médico cubano. A dona de casa Edinilza da Silva Nascimento, de 30 anos, sempre leva as duas filhas, de 11 e de 8 anos, para ser atendida por um médico cubano na unidade de saúde de Taquara I, na Serra, e teme pela redução de médicos no município.

> "Acho que metade dos médicos cubanos não volta", diz Mourão

“O atendimento dele é bom, ele escuta a criança direito, até para mulher gestante era ótimo. Acho que pode acabar faltando médico. Se agora já faltam”, declarou.

O mesmo pensa a dona de casa Patrícia Tinelli, de 36 anos. As crianças, uma menina de seis meses e um menino de sete anos, são atendidos por médicos cubanos. “A médica atende a bebê muito bem, não tem nada a reclamar não. Ela dá toda a atenção, sem pressa. Se puder ficar duas horas com a gente dentro da sala ela fica. Ela dá mais atenção que muitos médicos brasileiros que vemos aqui”, ponderou.

MÉDICOS CUBANOS PREFEREM NÃO FALAR

A reportagem do Gazeta Online tentou, durante toda a manhã desta segunda-feira (19), conversar com médicos cubanos nas unidades de saúde da Serra, o município mais afetado com a saída dos médicos. Nenhum deles conversou com a reportagem. Em um contato rápido, um deles, em Feu Rosa, disse que ainda não estava decidido sobre o que iria fazer, mas não quis dar mais detalhes sobre a situação.

> Prefeitos devem conversar com Temer sobre Mais Médicos

No município da Serra há médicos em vários bairros com alta vulnerabilidade social, como Feu Rosa, Vila Nova de Colares, bairros mais pobres da região de Jacaraípe e em Nova Almeida. Em Taquara I, um dos médicos chegou a passar pelo processo de revalidação de diploma, segundo funcionários, por já ter três anos de atuação - como exigido no contrato.

Atualmente, 210 médicos cubanos atuam no Espírito Santo. No Brasil, de 16.150 médicos que atuam no Mais Médicos, 8.332 são cubanos.

PREFEITURAS AINDA NÃO DIZEM O QUE VÃO FAZER

Em Cariacica são 35 profissionais do programa Mais Médicos, sendo 7 cubanos. Com o encerramento da parceria com Cuba, segundo a prefeitura, cerca de 32 atendimentos serão prejudicados de imediato. A prefeitura afirmou que não foi contactada oficialmente sobre a saída, e por isso não é possível falar sobre contratações, mas disse que planeja o remanejamento de médicos, enquanto o Governo Federal não se posicionar. 

> Saída de cubanos poderá deixar 611 cidades sem médicos

No município de Vila Velha, nenhum dos nove médicos saiu das unidades de saúde e continuam realizando atendimentos, de acordo com a prefeitura. O município afirmou, também em nota, que não terá posicionamento sobre a situação até que o Ministério da Saúde fale sobre a saída dos médicos cubanos.

Na mesma linha, a Prefeitura de Vitória também respondeu que ainda não foi contactada pelo Ministério da Saúde e que aguarda orientações para poder atuar. A administração afirmou que cinco profissionais continuam atuando nas unidades de saúde. 

A Prefeitura da Serra respondeu que, a partir desta segunda-feira (19), serão convocados 15 médicos do Programa Saúde da Família (PSF) do concurso público e 50 médicos de contrato, sendo que mais dois processos seletivos têm início nesta terça-feira (20). Um mapeamento do Mais Médicos para remanejamento está em andamento, e a prefeitura já solicitou à Câmara alteração da lei ampliando para 80 as vagas para médicos de 20 horas.

> EUA elogiam Bolsonaro sobre saída de cubanos

Na semana passada, após o anúncio da saída dos profissionais cubanos do programa Mais Médicos, o Ministério da Saúde informou que irá abrir um edital para contratar novos profissionais. Os candidatos brasileiros terão prioridade na convocação, como já ocorria nos editais anteriores.

Ver comentários