Notícia

Edital da greve dos rodoviários deve ser publicado nesta quinta

Categoria prevê paralisação a partir da zero hora de segunda-feira (2)

Foto: Ricardo Medeiros | Arquivo

O edital de greve dos rodoviários deve ser publicado nesta quinta-feira (29), segundo o presidente do sindicato da categoria, José Carlos Salles Cardoso. O documento, conforme determina a lei, deve ser publicado com 72 horas de antecedência à paralisação. Os rodoviários prometem cruzar os braços a partir da zero hora da próxima segunda-feira (2).

A aprovação pela greve ocorreu nesta terça-feira (27) após duas assembleias com os rodoviários. Eles não aceitaram a proposta dos patrões de reajuste linear de 2% nos salários, tíquete-alimentação e plano de saúde. Os rodoviários pedem 4% de reajuste da inflação mais o ganho real. Atualmente, o salário dos motoristas é de R$ 2.228 e do cobrador é de R$ 1.150, o tíquete é de R$ 696. “Já tivemos cinco reuniões e nada foi resolvido, a classe está insatisfeita”, afirma o presidente do Sindirodoviários. 

A paralisação vai afetar tanto os ônibus do Sistema Transcol quanto os municipais de Vitória e Vila Velha. Atualmente, cerca de 700 mil pessoas utilizam o transporte público todos os dias.

> Rodoviários aprovam greve na Grande Vitória

No próximo domingo (1º), a categoria fará uma reunião para decidir como será o momento. Se até houve alguma proposta das empresas, os rodoviários prometem estudá-la, evitando a paralisação. No entanto, o movimento segue confirmado para segunda-feira.

"Vamos respeitar a lei de greve, colocando 30% da frota nas ruas. Vamos fazer uma greve com responsabilidade. Há muito tempo o rodoviário está tendo perdas", disse o presidente do SindiRodoviários.

A GVBus diz que vai aguardar a comunicação oficial do movimento para tomar as medidas legais para a manutenção do funcionamento do Sistema Transcol, com o objetivo de garantir o direito de ir e vir da população.

PREJUÍZO NO COMÉRCIO

O início da greve está preocupando os comerciantes. O diretor da Federação do Comércio do Espírito Santo (Fecomércio), José Antônio Pupim, estima que o prejuízo seja de R$ 15 milhões. “Espero que as partes tenham bom senso e resolvam o problema. Podemos ajudar nas negociações caso queiram. Esperamos que as vendas de Natal sejam boas e isso não pode atrapalhar”.

Ver comentários