Notícia

Olhares de fé para celebrar a história da Basílica de Santo Antônio

Templo comemora 10 anos de título especial do Vaticano e lança concurso fotográfico

Imagens da construção da estrutura em Santo Antônio no fim da década de 1950. Obra foi ideia do então bispo do Espírito Santo, Dom Joaquim José
Imagens da construção da estrutura em Santo Antônio no fim da década de 1950. Obra foi ideia do então bispo do Espírito Santo, Dom Joaquim José
Foto: Arquivo

Há dez anos, um dos maiores símbolos de fé e devoção do Espírito Santo foi elevado ao título de basílica. Para comemorar a data, o Santuário-Basílica de Santo Antônio, que fica no bairro homônimo, em Vitória, organizou um concurso fotográfico. “Queremos divulgar cada vez mais a beleza que é o nosso templo, queremos ver o olhar de fé de profissionais e amadores sobre ele”, explicou o coordenador da basílica, Luiz Michel Pessoa.

No catolicismo, basílicas são igrejas geralmente grandes ou importantesque tem outorgados ritos especiais e privilégios em matéria de culto.

Leia também

Segundo Pessoa, o local acolhe mensalmente de seis a oito mil pessoas, entre fiéis e turistas. “Os turistas vêm de todos os lugares. Muita gente da Grande Vitória e até da Capital chega e fica surpresa porque não conhecia. Tem gente que já foi na Basílica de Aparecida (SP), mas nunca veio aqui”, conta.

Apesar de o Papa só ter dado o título de Basílica ao Santuário de Santo Antônio em 2008, o prédio começou a ser construído no final dos anos 50. “A pedra fundamental foi lançada em 9 de dezembro de 1956 pelo quinto bispo da diocese do Espírito Santo, que foi Dom José Joaquim Gonçalves", lembra o padre Roberto Camillato, que é reitor do Santuário-Basílica.

Segundo ele, a história da construção do templo se funde à da região. “Não havia Inhanguetá, Rodovia Serafim Derenzi, ou Mário Cypreste. Na época, o bairro Santo Antônio ia do Cais do Hidroavião até aqui, no entorno da Basílica. Em volta, tudo era fazenda e terrenos alagadiços", diz o religioso.

Padre Roberto Camillato e Luiz Michel  Pessoa seguram réplica do Santuário-Basílica em frente ao altar
Padre Roberto Camillato e Luiz Michel Pessoa seguram réplica do Santuário-Basílica em frente ao altar
Foto: Vitor Jubini

Ele afirma que o apoio da população foi fundamental para que a construção se concretizasse. “Houve muita ajuda da comunidade. Era uma comoção. Havia uma senhora que vendia um mingau para juntar dinheiro para a construção. O mingau ficou famoso e existe até hoje, com a receita original”, afirma Camillato.

O Santuário de Santo Antônio, como era conhecido anteriormente, partiu do desejo de Dom José Joaquim Gonçalves de construir um tempo para o segundo padroeiro de Vitória, Santo Antônio. “Já existia a Catedral, onde fica Nossa Senhora da Vitória. O santuário seria para abrigar Santo Antônio. A Catedral tem mais importância em relação à Arquidiocese. Já o Santuário, tem mais importância em relação ao vínculo com Roma”, afirma o padre.

O coordenador da Basílica esclarece: “A catedral é onde fica o bispo, que comanda a Arquidiocese. A Basílica é como se fosse a casa do Papa: se o Papa Francisco viesse aqui, ele faria a celebração na Basílica”, diz.

PARTICIPE

O Concurso

Tema

Santuário-Basílica de Santo Antônio: Um olhar de fé

Júri Técnico

As fotos só poderão ser enviadas pelo do site do Santuário-Basílica, no link do concurso.

Júri Popular

As fotos serão inscritas através do Instagram marcando a fotografia através da Hashtag #BasilicaUmOlharDeFe.

Inscrições

São gratuitas e vão até 18 de dezembro. Cada inscrito poderá participar com três fotos.

Visto de cima, durante a noite, o templo tem  o formato de uma cruz
Visto de cima, durante a noite, o templo tem o formato de uma cruz
Foto: Renan lima silva

 

 

Ver comentários