Notícia

Quiosqueiros tradicionais sob risco de deixar a Curva da Jurema

Prefeitura quer que uma empresa gerencie espaços, como acontece em Camburi

Curva da Jurema tem 18 quiosques, sendo 10 atuantes, dois temporários, cinco desativados e um de guarda-vidas
Curva da Jurema tem 18 quiosques, sendo 10 atuantes, dois temporários, cinco desativados e um de guarda-vidas
Foto: Vitor Jubini

Tradicionais quiosqueiros da Curva da Jurema, em Vitória, correm risco de deixar a praia. Isso porque um projeto de lei proposto pela prefeitura prevê que todos os módulos da orla sejam gerenciados por uma única empresa, como acontece na Praia de Camburi. De acordo com a administração municipal, a proposta é que os quiosques que estão em funcionamento continuem no local até 2021, ano em que o contrato de concessão com os empresários se encerra.

Ao todo, são 18 quiosques. De acordo com o presidente da Associação dos Comerciantes da Curva da Jurema, Paulo Linhares Ayres, cinco estão fechados, dois possuem contratos temporários e estão em funcionamento, um é reservado aos guarda-vidas e 10 já atuam na praia.

“A forma como a prefeitura trouxe isso foi como um balde de água fria. Esse ano foi muito difícil. Teve a Copa do Mundo, muitos feriados, muita chuva para nós que trabalhamos com sol. Seria um momento justamente para voltar a trabalhar com foco no turismo. Essa notícia nos pegou de surpresa e nos deixou muito preocupados”, comentou, acrescentando que a proposta não foi dialogada com os quiosqueiros.

Ayres, que é dono do quiosque Polé, comentou que fez o contrato de cinco anos com prorrogação por mais cinco. “Em 2016 houve a renovação do contrato e agora vai até 2021. Agora eu só luto para a concessão ir até o fim dela. Querendo ou não, fiz um investimento no local com uma projeção de uso de 10 anos. Isso não pode ser interrompido.”

EMENDA

A esperança dos quiosqueiros é uma emenda do vereador Mazinho dos Anjos que propõe que as licitações dos quiosques aconteçam em duas etapas. Na primeira, a nova gerência passa a assumir os módulos ociosos. Depois que os contratos de concessesão vencerem, em 2021, a empresa passa a assumir os quiosques tradicionais.

“O projeto foi protocolado no dia 14 de novembro e está tramitando na Câmara. Estamos apresentando essa emenda e vamos sugerir uma audiência pública sobre esse assunto para ser discutido com os quiosqueiros e com a população que frequenta há anos a região.”

Mazinho disse que a ideia da prefeitura é fazer na Curva o mesmo que está sendo feito em Camburi. No entanto, a empresa que assumiu os quiosques por lá ainda não terminou as intervenções. “Apesar de achar que vai dar certo, ainda não temos como ter certeza se esse é o modelo ideal.”

O projeto de lei da prefeitura pode ser apreciado pela Câmara ainda esse ano. Mas, segundo Mazinho, oito vereadores fazem questão de que a votação só aconteça depois que houver um debate público ampliado sobre o assunto.

Os quiosqueiros que atuam na Curva da Jurema não vão ser retirados do local, de acordo com o diretor-presidente da Companhia de Desenvolvimento, Inovação e Turismo de Vitória (CDV), Leonardo Khrolling.

“Nossa ideia é ter os 18 quiosques podendo ser administrados por uma empresa, mas, neste momento, queremos licitar os que estão vazios primeiro. Todos os contratos vigentes vão ser mantidos até 2021.”

Segundo ele, a iniciativa dá mais agilidade aos processos de contratação de empresas para assumirem os quiosques. Além disso, os comerciantes conseguem captar de forma mais rápida dinheiro para fazer investimento nos espaços.

A mudança só vai acontecer se for aprovada pela Câmara Municipal. Para Khrolling, a expectativa é que até o próximo mês já tenha uma empresa selecionada por meio de edital. “Os vereadores estão discutindo uma coisa que já foi aprovada na Praia de Camburi”

Khrolling disse, ainda, que o assunto foi apresentado aos quiosqueiros em setembro durante uma reunião realizada junto com o Sebrae.

Ver comentários