Notícia

Estado cancela edital para construção do Hospital geral de Cariacica

Segundo o Ipes, foi necessário fazer outro projeto de engenharia, nos moldes exigidos pela Caixa Econômica, para que a obra receba parte da verba do Governo Federal

Área onde será construído o Hospital Geral de Cariacica
Área onde será construído o Hospital Geral de Cariacica
Foto: Fernando Madeira

O governo do Estado cancelou nesta segunda-feira (14) o edital que escolheria a empresa responsável pela construção do Hospital geral de Cariacica. Segundo o Instituto de Obras Públicas do Espírito Santo (Iopes), o motivo foi a necessidade de incluir R$ 74 milhões de verba federal para custear parte do projeto. Como o dinheiro veio por meio de emenda impositiva da bancada federal capixaba, para que seja usado na obra, é necessária aprovação do projeto pela Caixa Econômica Federal.

“Suspendemos porque precisamos fazer o orçamento de engenharia dentro dos padrões da Caixa. Acredito que, até o final de janeiro, teremos enviado o novo projeto”, afirmou o Diretor-geral do Iopes, Luiz Cesar Maretto.

Segundo Maretto, a obra do hospital está na fase de terraplanagem, que ainda deve durar dois meses. Para que a obra não pare enquanto o Estado aguarda parecer da Caixa sobre o uso da verba federal, que deve durar cerca de 60 dias, a estratégia do governo é fazer uma outra licitação. “Vamos licitar a montagem do canteiro de obras, a contenção e a fundação do hospital com a parte do recurso que é do Tesouro (cerca de R$ 170 mi). Nos próximos meses vamos terminar a terraplanagem e já vamos fazendo a fundação enquanto a Caixa avalia o outro orçamento. O objetivo é dividir a licitação em duas para que não se perca tempo”, explica o diretor-geral.

Ele não afirmou, no entanto, qual o prazo para que o Hospital geral de Cariacica comece a funcionar. O edital que foi cancelado previa prazo de quatro anos. Por duas vezes, a Justiça já havia suspendido a licitação para contratação da empresa responsável por gerenciar esse projeto.

A verba federal equivale a um terço do valor total que deve ser gasto na obra. “O Estado não pode prescindir desse dinheiro federal”, disse. O hospital será construído às margens da rodovia Leste Oeste, no bairro Campo Belo, e terá 400 leitos.

O prédio planejado terá oito pavimentos e um heliporto, com uma unidade de atendimento adulto e infantil, com serviço de maternidade e com pronto-socorro clínico e cirúrgico, além de UTI, UTI Pediátrico, UTI neonatal e uma unidade de cuidados intensivos neonatais. A maternidade, com 40 leitos, será referência para a gestação de alto risco e risco habitual.

 

Ver comentários