Notícia

Estado cria força-tarefa para combater superlotação nos presídios

Segundo o governador Casagrande, as prisões capixabas são "bombas-relógio" que representam perigo para a sociedade

Presídio de Segurança Máxima de Xuri, em Vila Velha: déficit do sistema chega a 9 mil vagas.
Presídio de Segurança Máxima de Xuri, em Vila Velha: déficit do sistema chega a 9 mil vagas.
Foto: Gazeta Online

A situação de superlotação do sistema carcerário capixaba fez com que o Estado criasse uma força-tarefa para pensar soluções para o problema. Atualmente, há quase nove mil detentos a mais do que o número de vagas nas prisões. 

O grupo de trabalho vai incluir, além do Executivo estadual, o Tribunal de Justiça do Estado, Ministério Público do Espírito Santo, Defensoria Pública e Ordem dos Advogados do Brasil. Em reunião realizada nesta terça-feira (8) no Palácio Anchieta, o governador Renato Casagrande anunciou que o grupo terá como objetivo propor alternativas novas e coordenar os projetos já existentes como objetivo de qualificar o sistema carcerário. 

Segundo Casagrande, as prisões capixabas são bombas-relógio que representam perigo para a sociedade. "Alertei da bomba-relógio que temos em nossas mãos. Há uma situação muito grave no Espírito Santo hoje todos estão sensibilizados que temos que trabalhar em conjunto", afirmou. 

> Prefeitura notifica ECO101 para reinstalar radares na Serra

Dentre as ações que já estão sendo implementadas, o governador citou as audiências de custódia e a digitalização dos processos, principalmente nas varas de execução penal. Já dentre os projetos que devem começar a ser tocados pela força-tarefa, ele sinalizou a ampliação do uso de tornozeleiras eletrônicas - especialmente para os detentos do semiaberto - e das videoaudiências, ou seja, audiências realizadas por videoconferência que restringem o número de deslocamentos dos detentos e dão agilidade ao processo. 

"O que buscamos fazer é dar agilidade aos processos. Quem puder estar livre, que esteja livre. Mas hoje a burocracia e as idas e vindas do processo demoram tanto que pessoas estão privadas de liberdade sem precisar estar. Todos os procedimentos darão agilidade para que ninguém fique preso injustamente", afirmou.

Ver comentários