Notícia

Fotos: a evolução do carnaval de Vitória nas últimas décadas

Acervo do jornal A Gazeta mostra desfiles e preparativos da principais escolas de samba da Grande Vitória. Algumas já até não existem mais

ANTES, UM POUCO DE HISTÓRIA

A folia capixaba começou aos poucos e foi ganhando força, com desfiles no Centro de Vitória. Passou uma crise e ressurgiu com toda força.

REPORTAGEM ESPECIAL: Carnaval de Vitória é sinônimo de samba no pé e dinheiro no bolso

Fundada em 15 de janeiro de 1955, a Unidos da Piedade foi a primeira escola de samba capixaba. Surgiu depois que Sebastião Rômulo Nascimento, o Rominho, chegou a Vitória e ensinou os integrantes da comunidade a tocar instrumentos já usados no Rio de Janeiro.

1958

Em 1958, a União de Batucadas e Escolas de Samba (Ubes) organizou o primeiro concurso oficial das escolas de samba capixabas. A Prefeitura de Vitória incluiu uma verba pública destinada a compra de instrumentos e materiais para as fantasias e alegorias.

1959

As agremiações não tiveram o apoio financeiro do Poder Público, o que impediu que acontecesse o desfile das escolas de samba e batucadas. A verba pública só foi novamente empregada no carnaval de 1960, quando também surgiram as escolas Amigos da Gurigica e Santa Lúcia.

> Milagre do carnaval: materiais brutos e simples viram linda alegorias

1983

As apresentações das agremiações começavam a ganhar contornos de competição e as escolas de samba capixabas desfilavam nas proximidades do Forte de São João e seguiam pela Avenida Princesa Isabel, no Centro de Vitória.

1986

Os desfiles deixaram as avenidas Jerônimo Monteiro e Princesa Isabel, no Centro da Capital, e passaram a ser realizados na Reta da Penha, também em Vitória.

1987

O sucesso na Reta da Penha foi tanto que os sambistas tiveram a ideia de construir um sambódromo, que foi inaugurado em 27 de fevereiro de 1987 e logo ganhou o apelido de Sambão do Povo, dada a garra das pessoas que toparam construí-lo meses antes do carnaval.

1992

Muitas escolas se recusaram a participar dos desfiles. Foi uma época de crise, sem apoio da prefeitura e do setor privado. Em protesto, outras decidiram não desfilar no ano seguinte, 1993, e investir o dinheiro no carnaval de 1994, o que não aconteceu. Devido a isso, foram cinco anos sem Carnaval de Vitória.

1998

Os desfiles voltaram a acontecer, só que na Avenida Jerônimo Monteiro, já que a estrutura do Sambão estava abalada e parte da arquibancada havia sido demolida para a construção de uma quadra. Os desfiles passaram a acontecer uma semana antes do carnaval oficial.

2001

Ano de retorno dos desfiles para o Sambão do Povo, em Vitória. Ficou estabelecido que as escolas desfilariam em dois dias, uma sexta e um sábado. O Sambão foi reestruturado tendo sua capacidade reduzida para menos da metade – 18 mil pessoas para 7,5 mil.

FOTOGRAFIAS DO ACERVO DO JORNAL A GAZETA

ANDARAÍ

 

ARCO ÍRIS

BOA VISTA

CHEGA MAIS

CHEGOU O QUE FALTAVA 

IMPERATRIZ DO FORTE 

INDEPENDENTE DE SÃO TORQUATO

MOCIDADE DA PRAIA 

MOCIDADE SERRANA 

MOCIDADE UNIDA DA GLÓRIA 

NOVO IMPÉRIO 

 

ORIGINAIS DO CONTORNO 

 PEGA NO SAMBA

ROSAS DE OURO

UNIÃO JOVEM DE ITACIBÁ

UNIDOS DA PENHA

UNIDOS DA PIEDADE

JUCUTUQUARA

VAI QUEM QUER 

Ver comentários