Notícia

Hucam não informa quantas cirurgias tiveram de ser adiadas

Com problema em gerador, hospital não deu prazo para que as operações voltem

A aposentada Jandira Maria Vieira, 65, foi ao Hucam para mostrar exames pré-cirúrgicos e para marcar o procedimento, mas saiu de lá sem uma data para voltar
A aposentada Jandira Maria Vieira, 65, foi ao Hucam para mostrar exames pré-cirúrgicos e para marcar o procedimento, mas saiu de lá sem uma data para voltar
Foto: Ricardo Medeiros

Problemas em um grupo de geradores do Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes (Hucam) fizeram com que pacientes com cirurgias marcadas tivessem seus procedimentos cancelados desde segunda-feira (25). O hospital não informou, contudo, quantas cirurgias deixaram de ser feitas nem quando o problema deve ser resolvido.

Apesar de ter sido solicitado, não foi dito quantos pacientes foram afetados pelo problema nem se algum precisou ser transferido para outra unidade.

Por conta do problema, cirurgias eletivas - que são previamente marcadas - foram canceladas e, segundo informou o hospital em nota, só serão remarcadas quando o problema foi resolvido.

EMERGÊNCIA

Ainda em nota divulgada pelo hospital, o Hucam afirma que as cirurgias de emergência estão mantidas em três salas cujo gerador não pertence ao grupo de equipamentos que apresentou instabilidade.

Sem falar quando o problema será efetivamente resolvido, a assessoria de comunicação do hospital informou, em nota, que “as equipes técnicas responsáveis já se reuniram e contataram a empresa responsável pela realização de serviços emergenciais de manutenção”, diz o texto.

Em outro trecho do texto também é informado que “Assim que normalizadas as atividades, todas as cirurgias serão remarcadas e os pacientes afetados serão devidamente orientados.”

SEM CIRURGIA

A aposentada Jandira Maria Vieira, 65 anos, esteve na Hucam na tarde de ontem para passar por uma consulta e marcar a cirurgia que precisa fazer para a retirada da vesícula. Mas, ela saiu da unidade sem data para voltar.

“Me explicaram que eu tenho que terminar de tomar algumas medicações antes de fazer a cirurgia. Mas me falaram que não deve demorar, já que os exames já estão prontos”, afirma a aposentada. Ao ser indagada pela reportagem se alguém teria falado dos geradores, ela afirmou que nem sabia do problema.

“Ninguém me disse nada disso. Não sabia que os geradores não estavam funcionando. De qualquer forma, então, vou ter que esperar”, finaliza a aposentada.

PERGUNTAS NÃO RESPONDIDAS

Sem retorno

No início da tarde de terça-feira (26), a reportagem de A GAZETA encaminhou oito questionamentos ao Hucam, por meio de sua assessoria de comunicação, sobre o cancelamento de cirurgias. Três delas não foram respondidas. Confira:

Qual é a previsão para que a situação se normalize?

Quantas cirurgias foram canceladas?

Algum paciente precisou ser transferido?

 

 

Ver comentários