Notícia

Beija-flor bebe água na boca de criador capixaba em Santa Teresa

O criador de beijar-flor Valentim Krauser, de 56 anos, está há 35 trabalhando no Museu Mello Leitão e, com os animais, acabou gerando uma cena bastante inusitada

Criador de beija-flor no Museu Mello Leitão, em Santa Teresa
Criador de beija-flor no Museu Mello Leitão, em Santa Teresa
Foto: Carlos Henrique Bortolini

A intimidade do Valentim com os beija-flores de Santa Teresa parece até montagem, mas é real e proporciona uma cena única. O criador Valentim Krauser, de 56 anos, está há 35 destes trabalhando no Museu Mello Leitão, em Santa Teresa, e tanto zelo diário com os animais acabou gerando uma imagem bastante inusitada que foi fotografada pelo empresário Carlos Henrique Bortolini, no último sábado (18).

> Beija-flor volta a encontrar os lábios de Augusto Ruschi em estátua

Valetim dá água para o beija-flor beber na própria boca. Ele conta que há um beija-flor em específico que vem ao seu encontro para matar a sede. Modesto, o senhor Valentim tenta não se vangloriar da intimidade com o animalzinho, mas a fotografia, por si só, já fala e encanta.

"Eu trabalho aqui desde 1984. Passei um ano com o professor Augusto Ruschi e ele me ensinou tudo que sei hoje. Sou da época que a gente fazia bebedouro de vidro só com furadeira e broca. Mas gosto de frisar que não é sempre que o beija-flor vem beber água na minha boca, mas nesse dia da foto ele veio. É que estou aqui mais da metade da minha vida, então eles acabam me conhecendo", conta.

> Abertas inscrições para o 2º Festival de Cinema de Santa Teresa

Hoje, Valentim está como fiscal de cuidadores de beija-flor no Museu. "Eu fico orientando os tratadores aqui, mas eu não gosto de ficar parado. Toco o sino para os beija-flores beberem água e faço bebedouros de vidro. A gente está sempre fazendo alguma coisa", completa Krauser. 

Foto: Carlos Henrique Bortolini

FOTOS

O empresário Carlos Henrique Bortolini conta como foi presenciar o momento e a emoção de conseguir registrar com a fotografia esse elo de confiança entre o homem e o pássaro.

"Eu tinha ido ao Museu com um amigo para comprar filtro para colocar água para beija-flor e o Valentim foi quem nos atendeu. Ele disse que estava ensinando a este beija-flor a beber água na boca dele. Valentim ficou parado, como uma estátua, e o beija-flor foi vindo, aproximou-se e eu consegui retratar essa linda cena. Fiquei com medo de perder o momento porque até pegar o celular, desbloquear, pensei que ele fosse sair. Mas deu tempo de fazer a foto, mesmo que corrido", conta Carlos Henrique, que além de ser empresário gosta de fotografias e tem como hobby o perfil @chzb no Instagram. 

O BEIJO

A cena capturada pelo Carlos Henrique fez lembrar a famosa escultura de "O Beijo", instalada no Parque Pedra da Cebola, em Vitória. O monumento é um presente da Prefeitura de Santa Teresa à Capital capixaba e homenageia o ecologista e naturalista Augusto Ruschi.

Estátua já está restaurada, e Augusto Ruschi teve seu beijo devolvido após três meses
Estátua já está restaurada, e Augusto Ruschi teve seu beijo devolvido após três meses
Foto: Reprodução/TV Gazeta

Ver comentários