Notícia

Ciclistas reclamam sobre falta de segurança na Cinco Pontes

Na noite desta terça-feira (14), um ciclista foi morto em um assalto. Depois do caso, outros ciclistas falaram sobre falta de segurança no percurso diário

O ajudante de pedreiro João Batista Mesquisa Rodrigues conta que o percurso pela ponte é diário
O ajudante de pedreiro João Batista Mesquisa Rodrigues conta que o percurso pela ponte é diário
Foto: Eduardo Dias

Depois do roubo seguido de morte do ciclista Carlos Renato Souza, de 45 anos, na noite desta terça-feira (14), em cima da Cinco Pontes, em Vitória, a insegurança é o principal problema identificado por outros ciclistas que passam todos os dias pela ponte.

Na situação trágica desta terça-feira, Carlos foi abordado por indivíduos portando armas de fogo no momento em que passava na Cinco Pontes. O ciclista teria reagido e, segundo a PM, acabou sendo atingido por disparos.

> Ciclista assassinado na Cinco Pontes era pai de duas crianças

Outros ciclistas que fazem o caminho pela Cinco Pontes afirmam que não há policiamento no local e que o medo faz parte do trajeto. O garçom Alexsandro Gomes da Silva, de 33 anos, passa com frequência pela ponte e diz que conhece amigos que já foram assaltados lá. Ele fala sobre o risco e a falta de segurança que percebe no local, além de pedir que sejam tomadas providências.

"Eu já fiquei sabendo de vários amigos que foram assaltados nessa ponte, inclusive um colega de trabalho, então o risco é muito grande, principalmente, na parte da manhã e à noite. Acho que deveriam tomar providências quando a isso, porque a gente passa e realmente o risco é muito grande. Eu tenho medo e passo muito atento", afirma.

O garços Alexsandro Gomes da Silva, de 33 anos, passa com frequência pela ponte e diz que conhece amigos que já foram assaltados lá
O garços Alexsandro Gomes da Silva, de 33 anos, passa com frequência pela ponte e diz que conhece amigos que já foram assaltados lá
Foto: Eduardo Dias

Já o ajudante de pedreiro João Batista Mesquita Rodrigues conta que o percurso pela ponte é diário. Segundo ele, não há policiamento no local. "Muito violento aqui, e eu passo direto para pescar, sei como é e, medo eu tenho, mas fazer o que, tem que passar, né? Para melhorar a segurança tem que ter polícia para vigiar as pessoas que passam a noite, de dia. Aqui eu não vejo polícia", relata.

O ciclista morto durante o assalto foi atingido com um tiro no pescoço após e testemunhas contam que os criminosos atiraram mesmo após Carlos Renato entregar a bicicleta. Um dos acusados de roubar e matar o ciclista foi preso durante a madrugada pela equipe do Departamento Especializado em Investigações Criminais (Deic).

Com informações e Eduardo Dias

Ver comentários