Notícia

De dread e chinelos, guia diz ter sido impedido de entrar em Transcol

O guia de monumentos naturais e trilhas, Patrick Castelo, filmou o momento em que ele tentou pegar um Transcol, na Praça dos Namorados, em Vitória, e não conseguiu

O guia Patrick Castelo postou em sua rede social vídeo dizendo que ônibus não parou para ele no ponto
O guia Patrick Castelo postou em sua rede social vídeo dizendo que ônibus não parou para ele no ponto
Foto: Arquivo Pessoal/Montagem

O guia de monumentos naturais e trilhas Patrick Castelo, de 35 anos, passou por uma situação constrangedora na manhã desta terça-feira (21) quando esperava um ônibus do sistema Transcol rumo à Serra.

Segundo Patrick, o veículo que faz o trajeto Campo Grande a Laranjeiras, da linha 515, ao chegar na baia referente ao ponto que ele estava, abriu as portas para os passageiros descerem e quando ele deu sinal o motorista se negou a abrir a porta para ele entrar. Patrick entrou na frente do ônibus e gravou as imagens denunciando a situação, por volta das 6h40 de hoje.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ver essa foto no Instagram

As pessoas que elogiam o meu estilo ( dredlook ) não imagina o tamanho do preconceito que enfrento diariamente, seja das pessoas trocando de calçada quando me avista, seja nos pontos do Busão, onde os motoristas passam direto sem parar, após uma travessia de montanha e cerca de 20hrs de viagem rodoviária o cansaço bate, e tudo o que você mais que é chegar em casa, mas ao invés disso o motorista do Busão mesmo estando no ponto, tendo um outro ônibus em sua frente o impossibilitando de sair não abre a porta pra que você embarque... No vídeo mostra eu na frente do Busão após ter sido empurrado por cerca de 3 metros do ponto até o asfalto pelo coletivo exigindo nada mais que um direito meu. Ps. O motorista mesmo eu tendo ligado para o 190 não parou... PRECONCEITO NÃO EXISTE, MIMIMI MEU!!!! . . #ceturb #gvbus #gazetaonline #tvvitoria #preconceitonaoexiste #mimimi #issotemqueparar #faltaempatia #vix #vitorinha #faltaderespeitocomousuario #folhavitoria

Uma publicação compartilhada por Bicho Grilo (@patrickmartinscastelo) em

"Foi uma situação vexatória que passei. Eu cheguei de viagem do Rio de Janeiro na manhã desta terça e fui para o ponto para pegar o coletivo. A minha linha veio após dois ônibus e o motorista abriu a porta para os passageiros saírem, mas o motorista não abriu a porta. Pedi para abrir que eu ia entrar e ele me disse que já tinha parado lá atrás. Eu disse que ia entrar pela frente e ele foi arrancando. Eu me coloquei à frente do ônibus e fiz o vídeo", conta Patrick que se disse cansado de receber esse tipo de tratamento.

Leia também

"Não é a primeira vez que isso acontece comigo. Já me deixaram para trás em ponto meia noite, ou então não param quando dou sinal. As pessoas chegam a atravessar a rua quando me vêem. Sou perseguido por segurança de supermercado. Isso tudo é muito triste, sou casado e minha esposa, quando está comigo, vê isso tudo. Eu uso dread, ando de chinelo de dedo e as pessoas ficam me chamando de "nóia". Hoje mesmo, os passageiros deste ônibus que não parou e de outros que passaram, me chamaram de nóia, me xingaram. É horrível ter que passar por isso", desabafa.

O guia acrescentou que desta vez não ligou para a empresa de ônibus para fazer uma reclamação por telefone. Fará de forma escrita.

"Um advogado me orientou para que eu envie minha reclamação por e-mail para que fique arquivado. Fui na delegacia e me orientaram a procurar o meio civil e isso que vou fazer."

Procurada pela reportagem, a Companhia Estadual de Transportes Coletivos de Passageiros do Estado do Espírito Santo (Ceturb) informou que os motoristas são orientados a tratar os usuários do Sistema Transcol de forma cordial em todas as situações do a dia a dia. A Companhia já solicitou que o consórcio operador apure as circunstâncias do fato para que as medidas cabíveis sejam adotadas.

NOTA DA EMPRESA

Procurada a empresa responsável pelo ônibus, foi informado o repúdio de todo tipo de preconceito e tratamento ruim para com os clientes. Manifestou ainda que todos os seus funcionários terão um reforço sobre o tema nos treinamentos. Sobre o motorista em questão, de acordo com a empresa, deverá ser penalizado e, em caso de reincidência, poderá ser demitido por justa causa.

Ver comentários