Notícia

Prédio desaba em Itapoã, Vila Velha

O edifício caiu por volta das 5h30 da madrugada desta sexta-feira (24)

Um prédio sem moradores desabou no bairro Itapoã, em Vila Velha, na madrugada desta sexta-feira (24). O edifício de quatro andares andares está localizado na Rua Milton Caldeira e caiu por volta das 5h30.

Segundo moradores, o prédio estava desabitado há pelo menos 14 anos, desde 2005. Os moradores disseram ainda que havia uma placa de interditado no edifício e que a estrutura apresentava várias rachaduras.

BARULHO ASSUSTADOR

A reportagem do Gazeta Online está no local do desabamento. Moradores contaram que o barulho foi assustador. A manicure Ana Claudia Ferreira e o marido Eduardo Ferreira relataram que, no momento da queda, eles olharam pela janela e a rua estava cheia de poeira. O casal só entendeu o que estava acontecendo depois que desceu e viu o desabamento.

Como era o prédio antes de desabar
Como era o prédio antes de desabar
Foto: Google Maps | Reprodução

Há muito entulho e o trânsito está interditado. O Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil Estadual estão na Rua Milton Cadeiras.

TESTEMUNHAS

Um idoso passava pela rua no momento do desabamento. 

Eu estava passando aqui exatamente às 5h35 e comecei a ouvir um barulho. Parei para ver e o prédio estava desabando. Negócio de dois, três minutos e desabou tudo
Luiz Carlos Martins

"TIPO BARULHO DE TROVÃO"

A estudante Natália Valim Fernandes, 14 anos, contou que estava dormindo (veja vídeo abaixo) quando escutou o barulho e só deu tempo de olhar na janela e viu o prédio caindo.

ESTALOS

A cuidadora de idosos Eva Lúcia, que trabalha perto do prédio, já estava acordada quando a estrutura ruiu. "Eu levantei 5h15, estava na cozinha fazendo café e escutei o estrondo. Pensei: o prédio está desabando. Achei que estava desabando para o lado da casa que eu estou, mas, graças a Deus, desabou para o lado da rua. Graças a Deus, eu creio que nada aconteceu. Creio que não tem morador de rua nesse prédio. Só o susto".

Eva diz que o edifício estava rachado e interditado. 

Ontem à noite eu estava escutando um estalo, eu durmo com a janela aberta, mas não imaginava que fosse o prédio
Eva Lúcia

"Estou nervosa, com as pernas moles. Trabalho aqui há 4 anos e nunca vi uma coisa dessa não. Nós tivemos um livramento muito grande, inclusive a senhora idosa que eu durmo com ela. Só o susto que foi demais. Muita poeira no momento, mas graças a Deus está tudo bem", afirma Eva.

CORPO DE BOMBEIROS

De acordo o capitão do Corpo de Bombeiros Ivan Loreto, a equipe está aguardando o grupamento de cães, que é importante nesse trabalho, para confirmar se há ou não vítimas. O grupamento é o mesmo que atuou em Brumadinho, Minas Gerais. 

"A gente já fez o isolamento inicial, já verificou se algum outro morador foi afetado diretamente, ferido. Verificamos que, graças a Deus, não foi afetado. Acionamos a Defesa Civil de Vila Velha para verificar as estruturas ao redor para ver se foi afetada a parte estrutural das edificações vizinhas".

A gente está aguardando o grupamento de cães para fazer o trabalho de buscas, porque os moradores relataram a presença de moradores de rua em semanas anteriores, a gente tem que descartar para poder trabalhar com maquinário
Ivan Loreto, capitão do Corpo de Bombeiros

"O bombeiro não trabalha com dúvida, a gente tem que trabalhar com certeza. Então a gente vai precisar contar com o apoio do cães", reforça Loreto. 

O capitão disse que, a princípio, não pode dar a informação de que o prédio estava interditado. "O que posso falar é que não tinha ninguém residindo no local. O que eu sei até então é dos moradores da região, nada oficial".

Capitão do Corpo de Bombeiros Ivan Loreto
Capitão do Corpo de Bombeiros Ivan Loreto
Foto: Eduardo Dias

(Com informações de Eduardo Dias e Bernado Coutinho)

APÓS HORAS DE BUSCAS, CADELA BECK É CHAMADA PARA RESGATE

A cachorra Beck, da raça Pastor Alemão, viajou de helicóptero na tarde desta sexta-feira (24) para ajudar na identificação de possíveis vítimas do desabamento do prédio que ruiu, nesta madrugada, no bairro Itapõa, em Vila Velha. A cachorra pertence ao Corpo de Bombeiros de Colatina, no Noroeste do Estado, e tem um treinamento específico para sentir odores de pessoas mortas.

VÍDEO

PRÉDIO RECEBEU VISTORIA ANO PASSADO 

De acordo com a engenheira da Defesa Civil, Márcia Sina Simões, no ano passado, uma equipe realizou uma vistoria no local, onde foram identificadas rachaduras e uma leve inclinação no prédio. "Na época, a gente precisava entrar em contato com o proprietário para notificá-lo, pra contratar um engenheiro pra ver se tinha a possibilidade de uma recuperação estrutural, mas a gente não conseguiu achar esse proprietário", disse. 

BUSCAM COMPLETAM 12 HORAS

Corpo de Bombeiros continuam pelas buscas de supostas vítimas
Corpo de Bombeiros continuam pelas buscas de supostas vítimas
Foto: José Carlos Schaeffer | CBN Vitória

Após 12 horas, equipes do Corpo de Bombeiros permanecem no local para dar continuidade à busca de possíveis vítimas do desabamento. De acordo com a Tenente Andressa, a cadela Beck demonstrou interesse por uma área durante a busca. "A Beck farejou duas vezes a mesma área, uma área mais atrás, uma área diferente do que a Zara demonstrou interesse mais cedo. A gente está investigando e movimentamos os escombros mais uma vez. Ela indicou novamente, pela segunda vez, o mesmo local", explicou.

BUSCAS ENCERRADAS

Por volta das 22h, as buscas foram encerradas. De acordo com o Corpo de Bombeiros, toda a área foi verificada e a hipótese de vítimas foi descartada. Neste sábado (25) a Defesa Civil irá ao local novamente para fazer uma vistoria.

Com informações de Esthefany Mesquita

 

 

 

 

Ver comentários