Notícia

Anvisa atesta segurança do consumo do pescado do Rio Doce, diz Renova

Segundo agência, limite diário de 200 gramas de peixe para adultos e 50 gramas para crianças não representa risco à saúde humana

Foto: Carlos Alberto Silva | Arquivo | GZ

Em nota técnica, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) deu parecer favorável ao consumo de peixes e crustáceos provenientes da Bacia do Rio Doce e da região costeira, desde que respeitados os limites diários de até 200 gramas de peixe para adultos e jovens acima de 10 anos (ou 1,4 kg por semana) e de até 50 gramas para crianças até 10 anos e gestantes (ou 350 gramas semanais). As informações foram publicadas pela Fundação Renova nesta segunda-feira (3).

Esses foram os parâmetros considerados seguros para o consumo, por representarem risco mínimo à saúde. A análise partiu de uma solicitação do Grupo de Trabalho da Pesca e Aquicultura (GT - Pesca), que integra o Comitê Interfederativo (CIF). Composto por integrantes do meio acadêmico, do poder público das esferas federal e estaduais, o comitê acompanha as ações da Fundação Renova, responsável por reparar e compensar os danos do rompimento.

Leia também

Para subsidiar a análise, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), a Fundação Renova e universidades (como a Universidade Federal do Rio Grande - FURG) enviaram dados brutos e analisados de amostras coletadas de Mariana até a foz do rio Doce e ao longo da região costeira, de Guarapari (ES) a Abrolhos (BA), incluindo afluentes e trechos não atingidos pelo

rejeito da barragem de Fundão

.

AS ANÁLISES

Entre novembro e dezembro de 2018, a Anvisa recebeu 11 mil resultados analisados, abrangendo 76 espécies diferentes de peixes, quatro de camarões e uma de lagosta.

As análises investigaram a presença de 12 elementos nos pescados da região afetada: cádmio, cromo, cobre, chumbo, ferro, manganês, mercúrio, arsênio, alumínio, níquel, prata e zinco.

RESULTADOS

Com base nos resultados, a Anvisa reconhece que os pescados da região de estudo apresentam médias maiores de concentração de cádmio (em peixes de água salgada), mercúrio e chumbo, quando comparados com pescados comercializados mundialmente.

A agência ressalta, no entanto, que apenas as presenças de chumbo e de mercúrio merecem atenção. As concentrações dos demais metais não representariam risco à saúde humana.

A nota técnica também ressalta a importância do controle e da fiscalização para assegurar que não haja o consumo de pescados com concentração de metais acima daqueles definidos pela legislação vigente.

A recomendação da Anvisa não somente oferece maior segurança em termos de saúde, mas representa também um importante passo para a retomada da economia da região afetada.

De acordo com o líder do programa de Biodiversidade da Fundação Renova, Bruno Pimenta, este é um importante passo para a continuidade dos estudos. “O pescado continua sendo monitorado. Outras análises serão acrescentadas para que ocorra a verificação da possibilidade de modificar a quantidade de consumo”, afirma Pimenta.

Ver comentários