Notícia

GVBus entra na Justiça e pede ilegalidade da paralisação dos rodoviários

A peça também pede corte de ponto, multa e que 100% da frota esteja na rua na sexta-feira dia 14

Paralisação foi anunciada para esta sexta-feira (14)
Paralisação foi anunciada para esta sexta-feira (14)
Foto: Gazeta Online

Sindicato das Empresas de Transportes Metropolitanos da Grande Vitória (GVBus) entrou na Justiça com um pedido de abusividade da paralisação anunciada pelo o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários do Estado do Espírito Santo (Sindirodoviários-ES) nesta terça-feira (11).

Segundo o GVBus, a peça também pede corte de ponto, multa e que 100% da frota esteja na rua na sexta-feira dia 14, "para que o direito de ir e vir da população da Grande Vitória seja garantido." O sindicato afirmou que vai aderir à greve geral contra a Reforma da Previdência e contra a perda de direitos dos trabalhadores que começará à zero hora de sexta-feira (14) em várias regiões do Brasil

> Sindicato dos Rodoviários faz comunicado sobre paralisação

Em um ofício enviado ao GVBus, o Sindirodoviários notifica sobre a greve geral e informa que, por decisão das Centrais Sindicais, haverá uma paralisação nacional nos transportes dos setores Urbanos, Suburbanos, Rodoviários, Fretamento e de Carga em ato de protesto.

Ao Gazeta Online, o presidente do Sindirodoviários, José Carlos Salles Cardoso, explicou que a categoria deve se reunir nesta quarta-feira (12) para decidir sobre os detalhes da paralisação. 

"O trabalhador rodoviário tem que trabalhar 39 anos para aposentar... Motoristas com mais de 65 anos trabalhando no volante, isso é um absurdo. Antigamente aposentávamos com 25 anos de trabalho, agora vamos para 39. Este é um serviço estressante que mexe com o psicológico, físico e mental do rodoviário. Essa reforma destrói a situação dos rodoviários. Ela tem que ser feita, mas precisa ser discutida com a classe trabalhadora", completou.

O Tribunal Regional o Trabalho (TRT-ES) foi demandado pela reportagem para comentar sobre o caso, mas não deu um posicionamento ainda.  

Com informações de Lais Magesky

Ver comentários