Notícia

Procissão no mar de Vitória e da Serra em homenagem a São Pedro

Fim de semana será de festas nas duas cidades do ES para o santo padroeiro dos pescadores

Pescadores que vão participar da procissão de São Pedro, em Vitória
Pescadores que vão participar da procissão de São Pedro, em Vitória
Foto: Ricardo Medeiros

Um final de semana inteiro de celebrações, shows e procissões para festejar São Pedro, o santo padroeiro dos pescadores. O dia 29 de junho é dedicado a ele, um dos 12 apóstolos de Jesus, e as comemorações estão presentes em diversas comunidades, como a da Praia do Suá, em Vitória, e de Jacaraípe, na Serra.

Na Capital, a tradicional festa completa neste sábado 91 anos e reúne milhares de devotos. A programação gastronômica e cultural começa às 18 horas, na Avenida João Batista Parra, na Praia do Suá, com barracas para venda de comidas típicas juninas e, a partir das 20 horas, haverá shows sertanejos.

“A festa de São Pedro faz parte da história do bairro, e até emociona a gente. Nossos pais já faziam essa festa. Daqui a pouco, sou eu que vou entregar a minha chuteira para outro continuar”, comenta Emanuel da Penha Ribeiro, presidente da Associação de Moradores da Praia do Suá e um dos organizadores da procissão terrestre.

O cortejo será feito no domingo, logo após a missa na Igreja de São Pedro, que está marcada para as 8 horas. Saindo do templo, os fiéis seguem até a Capitania dos Portos, de onde vai partir a procissão marítima. A expectativa é reunir de 180 a 200 embarcações, segundo o presidente da Colônia de Pescadores, Alvaro Martins da Silva, o Alvinho.

Os barcos são enfeitados com bandeirinhas, flores, peixes e outros ornamentos em homenagem ao santo padroeiro. À frente do cortejo, uma embarcação com capacidade para até 30 pessoas leva o símbolo da devoção de todos: uma imagem de São Pedro. A procissão segue até a altura do Museu da Vale, de onde retorna para o píer da Praia do Suá.

“Cuidar dessa festa é a coisa mais importante. Estou há três noites sem dormir direito, nos preparativos, mas feliz”, conta Alvinho. Há 35 anos dedicando-se à organização, ele lembra de uma passagem da festa quando ainda era jovem.

“Os pescadores faziam questão de levar a imagem de São Pedro no barco. Houve uma vez, quando eu ainda era garotão, que três começaram a brigar na hora da procissão, disputando quem ficaria com o santo, e a imagem acabou caindo na água. Foi uma confusão só, mas São Pedro foi resgatado”, recorda.

Hoje em dia, o clima é diferente e de harmonia. Após a procissão marítima, é feita a bênção do anzol, instrumento conduzido pelo pescador mais antigo na ativa, na Praça do Papa. Em seguida, todos retornam para o bairro onde continua programação gastronômica e cultural até a noite.

 

 

JACARAÍPE

Na Serra, a festa começou hoje na comunidade que tem o santo como padroeiro. Barraquinhas foram colocadas no pátio da Paróquia São Pedro, em Jacaraípe, onde também acontecem missas e apresentações musicais, à noite, até domingo.

Na manhã deste sábado haverá uma celebração na praia, às 9 horas, com os pescadores. ÀS 16 horas, será o momento da ‘descida do navio’, uma procissão com uma grande embarcação montada em um carro de boi, acompanhada por bandas de congo - adultas e mirim. O grupo sai da igreja e segue até um posto de combustível, na Avenida Abdo Saad, percorrendo em torno de quatro quilômetros.

Já no domingo, às 7 horas, será o momento da procissão fluvial, com embarque na lagoa Juara, seguindo até a Praça Encontro das Águas. E às 16h, as bandas de congo se reúnem na igreja para buscar o navio e levá-lo de volta à paróquia, onde também será feita a fincada do mastro.

“É uma festa muito bonita e tradicional, que passa de geração em geração”, ressalta Antonio Correa Miguel, um dos organizadores.

Ver comentários