Notícia

"Comecei a chorar", afirma vendedor que teve empadas jogadas no chão

Ele contou ao repórter que chegou no Terminal por volta das 7h da manhã e que a partir daí começou a vender suas empadas

Um vendedor de empadas teve a mercadoria jogada no chão do Terminal de Carapina, na Serra, na manhã desta terça-feira (9)
Um vendedor de empadas teve a mercadoria jogada no chão do Terminal de Carapina, na Serra, na manhã desta terça-feira (9)
Foto: Eduardo Dias

O vendedor de empadas Igor Rodrigues, 23 anos, que acusa um fiscal de jogar toda a sua mercadoria no chão do Terminal de Carapina, na Serra, na manhã desta terça-feira (9), contou para a reportagem do Gazeta Online como começou a confusão, o apoio que recebeu dos passageiros e o registro da ocorrência na Delegacia Regional da Serra.

Como foi a situação?

Cheguei no Terminal e comecei a vender e rodar por lá. Foi quando o guarda encostou na minha lateral e disse que hoje eu ficaria sem essa caixa. Foi quando eu fiquei mais esperto e rodei de um canto pro outro. Depois que eu atendi a cliente, o guarda se aproximou novamente e pegou a caixa, foi quando eu puxei e disse que minha caixa ele não iria levar, ele pegou e deu um puxão e ele pegou a caixa e disse: "Quer ver que você fica sem ela?". E virou as empadas no chão e jogou a caixa no chão também, e saiu. Foi quando eu gritei com ele falando o prejuízo que ele me deu. Nesse momento eu comecei a chorar.

Quem virou a sua caixa foi o segurança ou o fiscal?

Foi o fiscal que virou a minha caixa, e disse "agora pronto, você ficou sem ela" e saiu para lá.

Há quanto tempo você trabalha vendendo as empadas no terminal?

Há doze meses. Eu me firmei nas empadas, eu antes vendia aquelas balas no ônibus. As pessoas me conhecem já, as pessoas me elogiam muito e me ligam, foi o trabalho que eu fiz que deu certo.

Como é o sentimento pra você passar por essa situação de hoje?

Como é que pode isso? Como é que pode, tem tanta coisa pra corrigir e vão corrigir isso, o trabalhador? Eu vou continuar vendendo empada, é o meu trabalho.

O dinheiro da empada ajuda você em quê?

Eu ajudo a minha mãe, me sustento e estou juntando dinheiro pra tirar minha carteira de habilitação. É difícil quando acontece uma situação dessa por aí. É difícil, tenho que ficar vendendo correndo, tenho que ficar vendendo escondido porque o guarda está por perto.

A CONFUSÃO

O caso gerou revolta dos passageiros do terminal, que acusaram um fiscal de ter derrubado os produtos do ambulante no chão
O caso gerou revolta dos passageiros do terminal, que acusaram um fiscal de ter derrubado os produtos do ambulante no chão
Foto: Reprodução

Um vendedor de empadas teve a mercadoria jogada no chão do Terminal de Carapina, na Serra, na manhã desta terça-feira (9). O caso gerou revolta dos passageiros do terminal, que acusaram um fiscal de ter derrubado os produtos do ambulante no chão.  Inconformadas com a situação, quatros pessoas impediram um ônibus de deixar o local. 

Por meio de vídeos (veja abaixo) enviados ao Gazeta Online, é possível ver os passageiros indo em direção a uma guarita onde o fiscal acusado de jogar as empadas no chão teria entrado. Algumas pessoas tentaram invadir o local. A tensão acabou aumentando quando os passageiros impediram um ônibus de sair do terminal posicionando um cadeirante na frente do coletivo.

Ainda de acordo com as testemunhas, a Polícia Militar foi ao local para conter a situação. A ocorrência e os envolvidos foram encaminhados para a Delegacia Regional da Serra.

SOLIDARIEDADE

Ainda no terminal, passageiros se mobilizaram para ajudar o vendedor que teve prejuízo com as empadas jogadas no chão. Ele recebeu dinheiro das pessoas e ficou comovido com a situação.

Passageiros deram dinheiro para o vendedor de empadinha
Passageiros deram dinheiro para o vendedor de empadinha
Foto: Internauta

O QUE DIZ A CETURB

A Ceturb-ES informa que a comercialização de produtos dentro dos terminais proibida, conforme Decreto Estadual 3.549-R, de 2014, que trata do regulamento dos terminais. Além disso, a lei de licitações determina que espaços públicos sejam explorados mediante licitação. Dessa forma, a fiscalização da empresa aborda diariamente vendedores ambulantes que insistem em usar o espaço para comercialização.

Na manhã desta terça-feira (09), um ambulante, após ser abordado mais uma vez pela fiscalização, se recusou a sair. O fiscal segurou na alça da caixa que o vendedor levava e essa caiu no chão. Houve tumulto e a polícia foi acionada e todos foram para a delegacia para registrar o boletim de ocorrência. A Ceturb-ES vai apurar se houve abuso na conduta das partes envolvidas para adotar as medidas administrativas cabíveis.

O QUE DIZ A POLICIA MILITAR

"Policiais militares foram acionados na manhã de hoje (09) para averiguar uma ocorrência de vias de fato no Terminal de Carapina.

Ao chegar no local, a equipe se deparou com uma aglomeração de pessoas. As testemunhas disseram que um fiscal teria derrubado a mercadoria de um ambulante, pois ele não poderia vender o produto no local.

Diante da situação, os policiais fizeram contato com o ambulante que estaria envolvido no ocorrido. Ele informou que, quando estava no Terminal de Carapina para vender o seu produto, foi informado pelo fiscal que não poderia comercializar o produto. Neste momento, o fiscal teria pego a caixa térmica do ambulante, despejando-a no chão. Ao ver a situação, as pessoas ameaçaram o fiscal.

Os policiais conversaram com o fiscal que alegou que há algum tempo estava alertando o ambulante que não poderia comercializar o seu produto no local e que na manhã de hoje (09) ao fazer contato novamente com o ambulante e pedir para que não vendesse o produto no Terminal, o ambulante despejou toda a mercadoria no chão, vindo a gerar todo o transtorno.

Diante dos fatos, as partes foram encaminhadas à 3ª Delegacia Regional de Serra.

Ver comentários