Notícia

Espírito Santo registra queda no número de homicídios

Em 2018, foram 1.108 homicídios no Estado, uma queda de 20,4% em comparação a 2017, quando foram registrados 1.407 mortes

Perícia em local de homicídio em Cariacica: 23 jovens de até 20 anos foram assassinados nos quatro primeiros meses deste ano.
Perícia em local de homicídio em Cariacica: 23 jovens de até 20 anos foram assassinados nos quatro primeiros meses deste ano.
Foto: Gazeta Online

O Espírito Santo registrou queda no número de homicídios, de acordo com dados  divulgados pelo 13º Anuário Brasileiro de Segurança Pública. Em 2018, foram 1.108 homicídios no Estado, uma queda de 20,4% em comparação a 2017, quando foram registrados 1.407 mortes.

> Após quatro dias sem homicídios, jovem é assassinado na Serra

O especialista em Segurança Pública Gustavo Debortoli pontua que a queda era esperada, e que o alto índice de mortes computadas em 2017 se deu por causa da greve da Polícia Militar, quando foram registradas 219 mortes violentas em um período de 22 dias. 

“Se a gente analisar o histórico temos uma queda continuada do número de homicídios desde 2010. O único ano que tivemos um aumento de casos foi em 2017, muito por conta do período de paralisação da PM”, afirmou Debortoli.

> Espírito Santo tem média superior a dois assassinatos por dia

O especialista detalha que diversos fatores estão relacionados a essa queda continuada, como ações de inteligência da Polícia Militar para o patrulhamento. Ele destaca ainda o envelhecimento da população, com a queda do número de jovens de 17 a 24 anos, faixa etária que figura como as principais vítimas de homicídios no Estado.

Segundo o professor de Direito Político e Econômico da Universidade Mackenzie, Fábio Bechara, a queda dos homicídios no Espírito Santo e no Brasil é também reflexo do uso de estatísticas na formulação de políticas públicas voltadas para a área da segurança.

> Após queda brusca, greve da PM dispara taxa de assassinatos no ES

“Cada vez mais as polícias incorporaram o uso da estatística como uma ferramenta que permite uma melhor adequação das políticas públicas, com o empenho da inteligência e de recursos humanos”, indica Fábio.

O professor cita ainda, por exemplo, a adoção do Boletim de Ocorrência Unificado no Estado, que deu mais eficiência as Polícias Civil e Militar. “No Espírito Santo existe o Boletim de Ocorrência Unificado. O trabalho que o Policial Militar faz na rua já ajuda o policial da Polícia Civil. Isso potencializa o uso dos recursos humanos que ajuda a economia de tempo. São medidas simples de alto impacto”, elogiou.

Outro exemplo positivo, segundo Fábio, é o processo de cooperação da polícia com outros órgãos do governo. “É cada vez mais constante o processo de cooperação entre a  polícia e outros órgãos. Multiplica os recursos humanos disponíveis na área da saúde, educação e segurança”, concluiu.

"REDUÇÃO VAI CONTINUAR"

O subsecretário de Segurança Publica e Defesa Social do Espírito Santo, Guilherme Pacífico, afirma que a redução se deu por esse processo de cooperação, com as ações do programa Estado Presente, criado em 2011 durante a primeira gestão do governador Renato Casagrande.

“Desde 2010 o Espírito Santo vem reduzindo a violência,  principalmente a partir de 2011, com o advento do programa Estado Presente. Há uma política pública voltada para a redução de homicídio”, afirmou.

Segundo o subsecretário, a taxa de homicídios continuará a cair em 2019. “Já estamos com uma redução de 17,5% em relação ao mesmo período de 2018. Isso mostra que temos uma política pública eficiente. Há um trabalho integrado da Polícia Civil, Militar, Polícia Federal, do nossos sistema de Justiça, Ministério Público e sistema prisional”, afirmou.

 

 

 

 

 

 

Ver comentários