Notícia

Fundação do ES vai manter bolsas oferecidas para universitários

A fundação estadual também vai tentar garantir parte dos benefícios que são concedidos em parceria com o governo federal

Estudos científicos são financiados com o apoio da Fapes
Estudos científicos são financiados com o apoio da Fapes
Foto: Stefan Wermuth

Em meio aos cortes impostos pelo Ministério da Educação (MEC) às instituições federais de ensino, a Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Fapes) vai manter a oferta de bolsas que faz com recursos próprios na Ufes, e também vai tentar garantir parte das que são oferecidas em parceria pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Já as 1,1 mil do Programa Integrado de Bolsas (PIB) não têm relação com a Fapes e o pagamento continua suspenso.

No momento, a Fapes já está em processo de contratação de 250 bolsas de iniciação científica para alunos de graduação, em todas as áreas do conhecimento. O benefício é de R$ 400 mensais por estudante. Novo edital está programado para 2020.

> Conheça as histórias de quem vai perder bolsas na Ufes

Já na pós-graduação estão previstas 100 bolsas de mestrado e 40 de doutorado dentro do Programa de Capacitação de Recursos Humanos na Pós-Graduação (Procap), e os editais devem ser lançados ainda neste ano. As bolsas são de R$ 1,5 mil e R$ 2,2 mil, respectivamente.

>CAPES, PIB, CNPq: saiba a diferença entre as bolsas e impactos do corte

O diretor-presidente da Fapes, Denio Rebello Arantes, destaca que uma das estratégias de desenvolvimento em qualquer área é a manutenção dos programas de iniciação científica e pesquisa.

É preciso investir para sair da crise, e o que o governo federal tem feito é um movimento contrário do que o mundo inteiro faz nessas situações. Investir nessa área traz novas possibilidades de realização, de mercado de futuro

Mas, embora reconheça o valor do segmento, Denio explica que a Fapes não tem condições de suprir todas as bolsas que hoje são ofertadas em parceria com o governo federal. Ele diz que, na atual modelagem, os benefícios são concedidos numa proporção em que, para cada R$ 1 investido pela Fapes, outros R$ 2 ou R$ 3 são de repasses federais.

> Sem verba: Ifes faz novos ajustes

"Hoje estamos numa situação em que vamos colocar R$ 1 e eles, nada. É impossível assumir completamente as ações que seriam do governo federal, mas vamos fazer um esforço grande para manter a pesquisa", ressalta o presidente da Fapes. "Não vamos conseguir tampar todo o buraco, mas vamos tentar avançar no que for possível, até porque, no governo estadual, temos uma visão clara da importância da ciência, tecnologia e inovação", finaliza.

> Startups são recrutadas para auxiliar gestão pública no ES

 

 

Ver comentários