Notícia

Cientistas produzem córnea humana usando impressora 3D

Técnica tem potencial para combater a falta de doadores em todo o mundo

Os pesquisadores Steve Swioklo e Che Connon com uma córnea colorida
Os pesquisadores Steve Swioklo e Che Connon com uma córnea colorida
Foto: Universidade Newcastle

Um experimento realizado na Universidade Newcastle, no Reino Unido, traz esperança para 10 milhões de pessoas em todo o mundo que esperam por uma doação de córneas para não perderem a visão. Com células estromais retiradas da córnea de um doador saudável, cientistas criaram uma mistura com alginato e colágeno que pode ser utilizada como “tinta” em impressoras 3D. Em menos de dez minutos, a córnea fica pronta.

"Muitos pesquisadores em todo o mundo estavam perseguindo a tinta biológica ideal para tornar este processo possível", afirmou Che Connon, professor na Newscastle que liderou o estudo publicado nesta quarta-feira na revista “Experimental Eye Research”. "Nosso gel mantém as células vivas enquanto produz um material que é duro o suficiente para manter a forma, mas macio o suficiente para ser espremido no bico de uma impressora 3D".

Leia também

Trata-se apenas da demonstração da tecnologia, sem qualquer teste clínico ou em animais, mas com potencial para a produção indefinida de córneas, solucionando o problema global da falta de doadores. Além das 10 milhões de pessoas em filas de transplantes, existem no mundo cerca de 5 milhões de pessoas cegas por problemas na córnea.

Além da oferta indefinida, a técnica tem a vantagem de permitir a produção de córneas individualizadas, seguindo as medidas exatas dos olhos dos pacientes. Por escaneamento tridimensional, os médicos são capazes de medir de forma exata o tamanho e o formato da córnea a ser impressa.

"Nossas córneas impressas em 3D agora terão que passar por testes e ainda faltam alguns anos antes de estarmos em posição de usá-las para transplantes" disse Connon. "Entretanto, nós demonstramos que é possível imprimir córneas usando coordenadas retiradas dos olhos do paciente e que esta abordagem tem potencial para combater a falta global de doadores".

Ver comentários