Notícia

5 dicas para se preparar para o concurso público do INSS

Candidatos pode se basear nos editais dos dois últimos concursos públicos; expectativa é que concurso saia ainda este a ano

INSS: concurso previsto para ainda este ano
INSS: concurso previsto para ainda este ano
Foto: Arquivo

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) deve abrir em breve concurso público para a contratação de novos servidores. A expectativa é que sejam oferecidas vagas para técnicos, analistas e médicos peritos.

> 5 razões para fazer o concurso do INSS

Os interessados em ingressar na autarquia precisam estar muito bem preparados para encarar a concorrência, que deve ser acirrada. Só para se ter uma ideia, o último concurso foi realizado em 2015 com 950 vagas. Ao todo, mais de um milhão de candidatos se inscreveram no certame.

Leia também

O processo seletivo deve mesmo ser realizado. Isso porque, em abril, o Ministério Público Federal (MPF) recomendou ao Ministério da Economia que seja realizado um novo processo seletivo até o dia 30 de maio, sob o risco de colapso na instituição. Por conta disso, é grande a chance de que uma nova seleção seja realizada,.

Atualmente, o INSS conta com 7.614 mil cargos já desocupados. Com a recomendação do MPF e a falta de efetivos, os interessados devem começar a estudar o quanto antes. Para isso, listamos cinco motivos para se preparar para o certame.

5 DICAS PARA COMEÇAR A ESTUDAR

1. Edital

O especialista em concursos Rodrigo Lélis observa que os dois últimos editais foram idênticos. Um foi elaborado pela Fundação Carlos Chagase no segundo foi a Cespe UnB.

2. Direito Previdenciário

A diferença, segundo Rodrigo Lélis, é que o concurso organizado pelo Cespe, a disciplina de Direito Previdenciário equivalia a quase 60% da prova.

“Por essa razão, o candidato que deseja ter chance no concurso do INSS, tem que estar muito afiado em Direito Previdenciário. É impossível elencar o ponto mais importante dessa matéria. Entretanto, como a autarquia não é o responsável pela arrecadação, cai muito mais questões de Benefícios Previdenciários do que de Custeio”, ressalta o especialista.

Lélis orienta os candidatos a começarem por Princípios Constitucionais do Direito Previdenciário.

“Princípios nas matérias de Direito é como o início de um filme, quem perde ou desconhece o início do filme tem extrema dificuldade em entender o restante. Logo, comece estudando a Teoria e quando tiver uma maior desenvoltura passe a mesclar o estudo teórico com exercícios para melhor compreensão da matéria”, orienta.

3. Matérias

A diretora pedagógica do CEP Ivone Goldner lembra que somente em Direito Previdenciário, que trata da seguridade social, foram 70 itens da prova. Se o concurseiro quiser se tornar muito competitivo deve iniciar de imediato o estudo da referida disciplina.

“Inicialmente, deve ser estudada a parte constitucional, que se encontra nos artigos 194 a 204, da Constituição Federal. Em seguida, deverá o candidato conhecer com profundidade o Regulamento da Previdência Social, que é o Decreto 3048/99, dando ênfase aos benefícios previdenciários. Também deve ser estudada a Lei 8.212/91, que trata do custeio da previdência social”, orienta.

Segundo Ivone, todas as demais matérias, ou seja, português, informática, administrativo, constitucional, raciocínio lógico, regime jurídico único e ética contaram no último certame, ao todo, com apenas 50 itens.

“Ainda que seja alterada a organizadora, o conteúdo programático não deve ser muito diferente do que foi exigido na última prova”, finaliza.

4. Prazo para provas

O especialista em concurso Rodrigo Lélis acredita que os candidatos devem ter como prazo de estudo entre nove meses a um ano. Para ele, esse período permite que permite uma boa preparação.

“Chamo de forma correta começar a preparação pela organização do tempo disponível. Não adianta, para aqueles que estão sem estudar faz tempo, começar com muitas horas por dia. Nosso organismo tem que ser adaptado que recomendo começar de forma leve e a partir da segunda semana vai se aumentando a carga gradativamente em 15 minutos ao dia”, aponta.

Lélis lembra que o estudo é uma competição consigo mesmo. “Quando era concurseiro costumava dizer a mim mesmo: ‘O cansaço do estudo deve ser superado, se não for possível superar, suporte, e continue estudando!’”

5. Preparação física

A preparação para o INSS deve ser feita com a mesma garra de um atleta de resistência, segundo o especialista Rodrigo Lélis. Ele comenta que o concurso nada mais é do que uma maratona e aqueles que desenvolvem uma maior resistência física e mental aumentam consideravelmente a chance de êxito.

“Outro aspecto que costuma ser negligenciado pelo candidato é a preparação física. Quem mantém uma rotina leve de exercícios tem um aproveitamento melhor em virtude do bem estar mental e do bom condicionamento que a atividade física proporciona. Há diversos estudos que comprovam isso. Em suma, comece pela teoria, depois introduza exercícios para fixar a matéria, organize bem o tempo e caminhe a passos largos rumo à aprovação”, destaca

Ver comentários