Notícia

Cultivo de maçã e pera no calor do extremo Norte capixaba

Fruteiras de clima frio estão se adaptando às altas temperaturas com bons resultados

As macieiras ocupam mais de 80% dos quase dois hectares de terra onde se cultivam frutas na Fazenda Boa Vista, em Montanha, no extremo Norte do Estado
As macieiras ocupam mais de 80% dos quase dois hectares de terra onde se cultivam frutas na Fazenda Boa Vista, em Montanha, no extremo Norte do Estado
Foto: Aldair Menezes Anacleto

Maçã e pera madurando no pé. O pomar que fica no extremo Norte do Estado está cheio, mesmo sob o forte calor da região. A plantação das duas fruteiras de clima frio está se adaptando às altas temperaturas e produzindo com fartura em Córrego do Limoeiro, no município de Montanha.

As frutas que têm sua maior produção concentrada nos Estados do Sul e Sudeste do país, em locais de temperaturas mais amenas, está ganhando espaço no Espírito Santo. O plantio de Aldair Menezes Anacleto, 43 anos, tem quase quatro anos. São aproximadamente 2,5 mil pés das frutas em quase dois hectares de terra. Mais de 80% da plantação é destinada às macieiras.

Pera cultivada em Montanha é da variedade Triunfo
Pera cultivada em Montanha é da variedade Triunfo
Foto: Aldair Menezes Anacleto

“Foi uma ideia do meu irmão, que viu que no Nordeste estavam produzindo essas frutas. Entramos em contato com algumas pessoas e recebemos orientações de como fazer. Depois, compramos as mudas de pera e de maçã no Paraná”, lembrou.

De acordo com o produtor, as fruteiras se adaptaram muito bem ao clima e ao solo, superando expectativas. As variedades escolhidas para formar o pomar de maçã foram três: Princesa, Eva e Julieta. Já a variedade de pera foi a Triunfo.

Aldair investiu cerca de R$ 50 mil para preparar a área e comprar equipamentos e mudas das frutíferas. A recompensa foi um produto suculento e de qualidade. “As nossas frutas têm um sabor especial por serem produzidas em região de solo mais quente. Elas são mais doces e saborosas e têm o mesmo tamanho das maçãs vendidas no mercado.”

O produtor vende todas as maçãs na região. Cada caixa com 18 quilos custa em média R$ 30. Já a pera deve começar a ser comercializada na metade deste ano, pois ainda está em fase de crescimento.

CUIDADOS

Segundo o engenheiro agrônomo e pesquisador do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar), Clandio Medeiros da Silva, Aldair escolheu variedades de maçã adequadas às temperaturas elevadas. Mesmo assim, algumas técnicas e cuidados são de extrema importância, como a presença de abelhas para realizar a polinização cruzada nas flores.

“Existem técnicas que são utilizadas para produzir nas regiões mais quentes, mas é preciso ter alguns cuidados por causa da falta de frio. No final do inverno, é necessário fazer uma quebra de dormência, aplicar um produto químico que induz a planta a florescer e a frutificar”, explicou.

Ainda de acordo com o pesquisador, a umidade e o calor são favoráveis ao desenvolvimento de doenças. ”Mas como a cultura ainda é pequena na região, é possível controlar mais facilmente. A principal doença da maçã é a sarna da macieira, que ataca folhas e frutos. Para controlar é preciso usar fungicidas”, disse.

Ver comentários