Notícia

Oferta de R$ 40 bilhões pela Fibria prevê multa e embola negociação em curso

Multinacional asiática quer bater a Suzano e ficar com a Fibria

A multinacional asiática Paper Excellence, que anunciou a compra da Eldorado no ano passado, pertencente à família Batista, apresentou uma oferta de R$ 40 bilhões para a aquisição da Fibria, embolando as negociações que estão em andamento com a Suzano. Disposta a levar o negócio, a PE, controlada pela família indonésia Widjaja, incluiu na proposta a cláusula de “break-up fee” (multa) de R$ 4 bilhões, caso as negociações não sigam adiante.

A proposta da PE chegou em um momento que as conversas entre Fibria, controlada pela família Ermírio de Moraes (dona da Votorantim) e pelo braço de participações do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), avançavam a passos largos com a Suzano, da família Feffer.

> Asiáticos fazem oferta e entram na briga para compra da Fibria

Nesta segunda-feira (12), representantes da Fibria se reuniram com os principais executivos do BNDES para atualizá-los sobre as negociações. O banco de fomento (com 29,08%) e a família Ermírio de Moraes (29,42%) são os principais acionistas da Fibria. BNDES também é sócio minoritário da Suzano, com 6,9%.

Unidade da Fibria, em Aracruz
Unidade da Fibria, em Aracruz
Foto: Fibria

Fontes a par das negociações afirmaram que o banco de fomento tem interesse de reduzir sua participação nas duas empresas e caberá à Fibria decidir qual das duas proposta levará adiante. Em ambas as ofertas, a dona da Votorantim deverá sair do negócio, apurou o jornal "O Estado de S. Paulo". Procurados, BNDES, Fibria, PE, Suzano e Votorantim não comentaram.

Nesta segunda, as ações da Fibria fecharam em alta de 2,95%, a R$ 69,55. O valor de mercado da maior produtora global de celulose ficou em R$ 38,5 bilhões. Já os papéis da Suzano recuaram 4,45%, a R$ 22,11, levando a companhia a ser avaliada na Bolsa a R$ 24,14 bilhões.

EXPANSÃO

Com produção de cerca de 2,5 milhões de toneladas de papel e celulose no Canadá e França, a PE busca expandir seus negócios, por meio de aquisições, na América Latina.

Leia também

Em setembro de 2017, o grupo anunciou a compra da Eldorado, em transação avaliada em R$ 15 bilhões. Essa aquisição, contudo, está sendo feita por etapas e será concluída até setembro. A família Widjaja, que também é dona da Asia Pulp and Paper (APP), já tinha procurado a Fibria nos últimos meses demonstrando interesse na companhia, segundo fontes.

Esse movimento da PE, que é assessorada pelo BTG, levou a Suzano a se sentar com sua rival para retomar as negociações para a fusão. A aproximação entre Fibria e Suzano foi confirmada pelas duas empresas em fevereiro.

PRIORIDADES DIFERENTES

Concluir a negociação com sua maior concorrente é prioridade para os Feffer, que estão na terceira geração e têm a Suzano como o principal negócio da família. Não é o caso dos herdeiros da Votorantim, que estão na quinta geração e cuja empresa de papel e celulose representa um dos vários negócios do grupo, que também atua em cimento, siderurgia, suco de laranja e é dono de um banco.

Embora analistas de mercado vejam maior sinergia entre a combinação de ativos entre Fibria e Suzano, olham a proposta da Paper Excellence como ameaça real à família Feffer.

Fontes ligadas à Suzano afirmaram que os executivos da companhia estão conduzindo diretamente as negociações, com apoio da família controladora, que está no conselho.

Segunda maior produtora de celulose do país, a Suzano já teria levantado recursos para bancar a combinação de ativos e estaria disposta a melhorar a proposta à concorrente para não deixar o negócio escapar, segundo fontes de mercado.

Para analistas do UBS, contudo, ainda não está claro os plano financeiro da Suzano para concluir o negócio com a Fibria.

Ver comentários