Notícia

Em um ano, 38 mil pessoas entram no grupo da extrema pobreza no ES

Em 2017, 224,6 pessoas tinham uma renda menor que US$ 1,9 por dia no Estado

Trabalhadores que vivem do lixão no município de Barra de São Francisco
Trabalhadores que vivem do lixão no município de Barra de São Francisco
Foto: Marcelo Prest | GZ | Arquivo

O número de pessoas vivendo em extrema pobreza no Espírito Santo cresceu. De 2016 para 2017, 38,1 mil pessoas passaram a integrar este grupo. Os indicadores da Síntese de Indicadores Sociais (SIS) 2018, divulgados nesta quarta-feira (05), mostram que no ano passado mais de 224,61 mil capixabas viviam nesta situação.

O estudo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostrou ainda que, o percentual de pessoas que viviam em extrema pobreza - com renda domiciliar per capita inferior a US$ 1,90 por dia, ou cerca de R$ 140,00 por mês (valores de 2017) -  no Estado, passou de 4,7% (186,49 mil pessoas), em 2016, para 5,6%, em 2017. Crescimento de 0,9 ponto percentual entre os anos.

> A luta de trabalhadores para sobreviver do lixo

Ainda no Estado, o contingente de pessoas com renda per capita domiciliar de US$ 3,20 (cerca de R$ 236,00 mensais) não apresentou variação entre 2016 e 2017, representando 9,5% da população na pobreza em ambos os anos.

A situação do país não é muito diferente da do Espírito Santo, o total de pessoas com renda inferior a US$ 1,90 por dia, passou de 6,6% da população nacional, em 2016, para 7,4%, em 2017. A proporção de pessoas abaixo dessa linha aumentou em todas as regiões, com exceção do Norte, que ficou estável. Em números absolutos, esse contingente aumentou de 13,5 milhões em 2016 para 15,2 milhões de pessoas, em 2017. O que representa quase 1,7 milhão de brasileiros a mais nessa situação.

LINHA DA POBREZA

De acordo com o Banco Mundial, em países com renda média-alta, como o Brasil, pessoas que vivem com renda até US$ 5,50 por dia (aproximadamente R$ 406 mensais) - em valores de 2011, atualizados na pesquisa do IBGE - estão abaixo da linha de pobreza. No Estado, 21,7% (870,38 mil pessoas) da população do Espírito Santo vivia com rendimento inferior a este em 2017 e 22,6% (896,75 mil) da população em 2016, mostrando uma queda no quadro geral. Já em Vitória, esse percentual caiu de 10,9% para 8,9% entre 2016 e 2017.

> Lixões: vidas em risco na luta pela sobrevivência

No país, mais de um quarto da população (26,5%) está abaixo da linha de pobreza do Banco Mundial. Em 2016, 52,8 milhões de brasileiros, ou 25,7% da população, estavam nessas condições.  

Ver comentários