Notícia

Falha de comunicação pode ter causado acidente em navio no ES

Placa pode ter sido içada antes de os dois trabalhadores retirarem os cabos de aço

Tripulantes do navio Da Tai conversaram com investigadores após o acidente
Tripulantes do navio Da Tai conversaram com investigadores após o acidente
Foto: Siumara Gonçalves

Uma falha de comunicação entre trabalhadores do navio chinês Da Tai pode ter sido a causa do acidente que matou um tripulante de 41 anos e deixou outro de 43 ferido na última quinta-feira, em Vitória. A hipótese foi levantada por fiscais da Superintendência Regional do Trabalho que estiveram ontem no Porto de Vitória para apurar o ocorrido.

Para realizar a abertura do porão para o carregamento de concentrado de cobre, os tripulantes deslocavam as tampas do local e as empilham uma sobre as outras. O tampão envolvido no acidente era a quarta peça que estava sendo empilhada pelos tripulantes Yongan Zhang, 41 anos, e Mengzhu Lai, 43 anos.

“Depois de empilhadas, elas precisam ser desamarradas para que o guindaste retire os outros tampões. Os trabalhadores que se feriram estavam em cima de uma dessas estruturas realizando o procedimento de desate das amarras, o que é o padrão para esse tipo de operação”, conta Fábio Dinelli, um dos auditores fiscais do trabalho que estiveram no local do acidente ontem.

Leia também

Ainda de acordo com o fiscal, as informações preliminares do órgão apontam que Yongan Zhang e Mengzhu Lai tinham soltado três das quatro amarras da tampa do porão quando o operador do guindaste moveu a peça. Por isso, a estrutura acabou ficando como um pêndulo, presa por apenas um dos cabos.

Quando a peça se moveu, Mengzhu Lai conseguiu pular de cima da placa, já Yongan Zhang acabou caindo por mais de 20 metros até atingir o fundo do porão. Ele morreu no local.

Segundo o fiscal, o acidente pode ter acontecido porque o procedimento padrão para essas operações consiste em após todos os quatro pontos de engate serem removidos, os tripulantes que estão sob a estrutura devem se comunicar por rádio com o operador do guindaste para que, somente assim, ele possa mover o equipamento novamente.

“A hipótese mais provável é que tenha havido um mal entendido, um falha nessa comunicação, o que teria levado o operador do guindaste a movimentar o guincho antes da hora, causando o acidente”, comenta Fábio.

Zhang, que conseguiu pular, foi levado para o Hospital Meridional, em Cariacica, na noite de quinta-feira e durante a madrugada de ontem recebeu alta e passa bem. Ele tinha sido socorrido com alguns ferimentos.

O NAVIO

A embarcação asiática saiu do Porto de Munguba, no Pará, na quinta-feira, e às 11h08 atracou no Porto de Vitória para ser carregada com aproximadamente 11 mil toneladas de concentrado de cobre. O navio seguiria para o Porto do Açu, em São João da Barra (RJ). O acidente aconteceu por volta das 17h. O socorro demorou quase uma hora para chegar ao local.

ENTENDA

Atracado em Vitória

Vindo do Pará, o cargueiro Da Tai, de bandeira de Hong Kong e de propriedade da Cosco, atracou no Cais Comercial de Vitória às 11h08 de quinta, 10, para ser carregado com concentrado de cobre.

Preparo para carga

Após atracar, tripulantes do navio iniciaram a abertura das tampas do porão para que os estivadores embarcassem a carga.

O acidente

Entre 16h40 e 17h, antes de um dos tampões ter sido totalmente desatado do guincho, o guindaste levantou a estrutura.

Queda e pulo

Dois trabalhadores estavam na estrutura. Mengzhu Lai conseguiu pular da chapa de aço que estava içada e se salvou da queda, ficando com alguns ferimentos. Já Yongan Zhang caiu de uma altura superior a 20 metros no fundo do porão e morreu no local.

Suspeita

A hipótese trabalhada pela Superintendência Regional do Trabalho é de que ouve falha de comunicação entre os funcionários feridos e o operador do guindates.

Ver comentários