Notícia

Paralisação da Vale chega ao quarto dia com prejuízo milionário

Produção em usinas do Complexo de Tubarão foram paralisadas após Prefeitura de Vitória interditar três áreas da mineradora por conta de despejo de resíduos no mar da Capital

Vista panorâmica das instalações da Vale no Complexo de Tubarão
Vista panorâmica das instalações da Vale no Complexo de Tubarão
Foto: Carlos Alberto Silva

A paralisação das operações da mineradora Vale no Complexo de Tubarão em Vitória chega ao quarto dia nesta segunda-feira (11). A parada nas operações foi determinada pela Prefeitura de Vitória na última quinta-feira (7) por conta de vazamentos de poluentes no mar há cerca de um ano. Os reflexos disso para o caixa da mineradora é a perda de uma receita diária de 3,7 milhões de dólares.

A poluição causada pela Vale, com o despejo de resíduos no mar e a emissão de pó preto a partir de pátios da mineradora, foi o que levou a Secretaria de Meio Ambiente de Vitória a interditar três áreas da empresa. A companhia também recebeu duas multas que totalizam R$ 35 milhões.

As usinas de 1 a 4 da mineradora estão com as atividades paralisadas. Com isso, um dos sistemas de tratamento de efluentes não tem produzido 32 mil toneladas de pelotas de minério por dia, quase 40% da produção em Vitória.

> Vazamento de pó de minério causa danos a peixes, plantas e humanos

A paralisação foi imposta porque, segundo a Secretaria de Meio Ambiente da Prefeitura de Vitória, havia vazamento de poluentes no mar de um reservatório da empresa há pelo menos um ano. A empresa recorreu à Justiça Estadual na última sexta-feira (08) para tentar reverter a interdição. Ainda não houve posicionamento da Justiça.

A Secretaria de Meio Ambiente da Capital informou, por meio de nota, que a Gerência de Controle Ambiental também analisa, a partir desta segunda-feira (11), um pedido de desinterdição feito pela empresa. O parecer ainda será repassado à Procuradoria-Geral do município, que fará uma análise.

Procurada para comentar sobre o assunto nesta segunda, a Vale informou não haver novidades sobre a paralisação da produção em Vitória.

Relatório técnico

Ainda na última sexta-feira (8), técnicos do Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (IEMA) estiveram nas instalações do Complexo de Tubarão para vistoriar o pátio de insumos, a Bacia de Sedimentação e Reservação (BSR) e as vias da captação de água pluvial do pátio de carvão da Vale. O instituto informou que a nota técnica da vistoria ainda não foi finalizada. Quando concluído, o parecer será encaminhado ao governador do Estado, Renato Casagrande (PSB).

Ver comentários