Notícia

Espírito Santo e 38 cidades capixabas fora da reforma da Previdência

Relatório que será apresentado nesta quinta exclui servidores de Estados e municípios. Se avançar, cada local terá que fazer sua própria reforma para o funcionalismo

IPAJM registrou R$ 2,1 bilhões de déficit em 2018
IPAJM registrou R$ 2,1 bilhões de déficit em 2018
Foto: Vitor Jubini

Temor que vinha aumentando nas últimas semanas, a exclusão de servidores de Estados e municípios com regimes próprios da reforma da Previdência parece certa. O relator da proposta na Câmara, deputado Samuel Moreira (PSDB), apresenta nesta quinta-feira (13) seu relatório após costurar um acordo com partidos do centrão, MDB e DEM, que prevê que as mudanças na aposentadoria para o serviço público só sejam válidas para servidores federais.

Com isso, as novas regras não serão aplicadas para funcionários públicos estaduais do Espírito Santo e também dos 38 municípios capixabas com regimes próprios de Previdência (veja abaixo). Já as demais cidades que não possuem instituto próprio seguirão sob as regras do INSS.

O parecer do relator, com essas e outras alterações, será votado na comissão especial que discute a reforma no dia 25 deste mês para depois seguir para o plenário, onde o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), ainda acredita que seja possível reverter a mudança.

“Num primeiro momento, ainda não há um acordo firmado, então o texto que virá amanhã (hoje), a princípio, é um texto sem os governadores, mas, na hora da votação, apresenta uma emenda reincluindo os governadores se for construído até a votação no plenário esse acordo”, afirmou Maia.

A justificativa de Maia e Moreira é que faltam votos para aprovar a Proposta de Emenda a Constituição (PEC) incluindo servidores estaduais e municipais. Outro ponto de atrativo é o fato dos parlamentares não quererem arcar sozinhos com o desgaste de aprovar mudanças nas regras de aposentadorias.

> Primeiros anúncios de relatório da Previdência assustam mercado

 

CASAGRANDE DIZ ESPERAR "BOM SENSO"

Renato Casagrande, governador do Espírito Santo
Renato Casagrande, governador do Espírito Santo
Foto: Ricardo Medeiros

Para o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), se concretizada essa posição os parlamentares não irão resolver “o problema todo de uma vez”. “Vamos continuar insistindo para que o bom senso prevaleça. Não tem lógica criar regras para aposentadoria de servidores da União e não para os Estados. É preciso de uma regra única que seja a mesma para todo o Brasil”, disse.

Confirmada a exclusão desses servidores da reforma, caberia a cada Estado e município fazer sua própria reforma nas Assembleias Legislativas e Câmaras, o que é visto por especialistas como uma dificuldade extra já que nessas Casas a pressão de setores do funcionalismo seria ainda maior.

> Previdência: Casagrande defende regra única para todos os servidores

No caso do Espírito Santo, Casagrande evitou falar se estaria disposto a fazer a reforma estadual: “vamos avaliar”. E completou: “Não dá para tomar uma decisão dessas antes de ver o que o Congresso vai decidir”. Na semana passada, o governador já havia dito que não era o momento de se falar em um projeto local.

Ele lembrou que na terça, 11, após reunião dos governadores com parlamentares, a manutenção de Estados e municípios no texto havia ficado “bem encaminhada”, mas que isso “deu um passo atrás” nesta quarta-feira. "Negociação é um processo lento, é preciso ter paciência. Vou continuar conversando com a Câmara até o último dia", comentou.

Deputados divergem

Questionados nesta quarta sobre a presença, ou não, de Estados e municípios na reforma da Previdência os deputados que representam o Espírito Santo na Câmara apresentaram posicionamentos divergentes. Sérgio Vidigal (PDT), Ted Conti (PSB), Da Vitória (PPS) e Evair de Melo (PP) disseram ser a favor da manutenção.

“Tem um grupo de deputados que defendem que só os municípios permaneçam na reforma. Grande parte dos líderes do Centrão são oposição aos governos estaduais. E eles acham que mantendo os Estados no texto vai facilitar a vida dos governantes. Sou contra esse texto da reforma, mas acredito que o que estiver valendo pra um, tem que valer pra todos”, disse Vidigal.

> Bancada capixaba promete brigar para ES estar na reforma da Previdência

Ted Conti avalia que é importante que Estados e municípios possam ajustar seus sistemas previdenciários. “É importante para evitar que haja um colapso no futuro que comprometa até mesmo o pagamento dos benefícios”, destacou.

“Temos que aproveitar este momento para incluir Estados e municípios, que não tem condições de fazer da mudanças necessárias, na reforma da Previdência. Mesmo com o posicionamento do relator, acredito muito que eles sejam incluídos”, opinou Da Vitória.

Evair de Melo, por sua vez, culpa os governadores pelo imbróglio. “Isso deixa claro que os governadores vieram a Brasília de mão vazia, sem nada a oferecer, ou seja, votos novos. Mas ainda há tempo”, comentou.

Contra

Único contrário à inclusão de Estados e municípios, Amaro Neto (PRB), justificou-se apontando as diferenças regionais. “O parlamento não poderia realizar uma reforma que imponha a inclusão obrigatória de Estados e municípios, uma vez que situações peculiares, diferenças locais e regionais devem ser observadas, assim como a oportunidade de debates nas Câmaras Municipais e Assembleias Legislativas”, ponderou.

A deputada Soraya Manato (PSL) informou que prefere aguardar a apresentação do relatório, já que a decisão só deve ser tomada pelos deputados em plenário. “Prefiro aguardar a apresentação do relatório do deputado Samuel Moreira. Mas, pelo que observo nos bastidores é que essa decisão ficará nas mãos dos parlamentares quando a votação chegar no Plenário da Casa”, disse.

> Reforma da Previdência em números: os impactos no Espírito Santo

Norma Ayub (DEM) disse que, até o momento, Estados e municípios farão parte da reforma, mas não respondeu se é a favor ou contra uma possível mudança. “A proposta se encontra em fase de apreciação e decisão da Comissão Especial. Tenho compromisso com a governabilidade, e devemos apreciar a matéria, no plenário, em sintonia com as necessidades demandadas”, pontuou.

Os deputados federais Felipe Rigoni (PSB), Helder Salomão (PT) e Lauriete (PR) não responderam.

Mais difícil

Na visão do economista Orlando Caliman, “não é um bom caminho” existirem regras diferentes para servidores da União, Estados e municípios. “Os governadores terão que entrar numa briga local. Vai ser mais difícil passar aqui, pelas pressões. Por isso eles querem que fique tudo em Brasília e lá eles querem compartilhar o ônus político”.

Já a advogada Aline Simonelli, especialista em Direito Previdenciário, disse que a diferenciação vai gerar uma incongruência entre os entes e pode inclusive promover mais desigualdades.

> Renda bruta: Salário de servidor público é o dobro de trabalhador do setor privado no ES

"Vai acabar prejudicando diversos servidores, gerando desigualdades. Poderão existir situações grotescas de servidores de um município com uma regra muito diferente de outro e até mesmo acontecer de alguns não fazerem reforma".

Capitalização, BPC e aposentadoria rural fora

O relatório do deputado Samuel Moreira (PSDB) também deve trazer outras mudanças na proposta para ganhar votos. Entre as principais estão a saída do regime de capitalização da reforma e os artigos que permitiriam rever regras de aposentadoria sem precisar alterar a Constituição.

Pontos como as mudanças na aposentadoria rural, elevando a idade mínima; e o Benefício de Prestação Continuada (BCP), com valor inicial de R$ 400 para idosos e deficientes, também ficam de fora. A retirada desses tópicos, aliás, já era dada como certa.

> Infográfico: a proposta de reforma da Previdência de Bolsonaro

Para a advogada Aline Simonelli, além de permitir que o texto avance, as alterações são positivas. “Debater melhor a capitalização é necessário e mexer no benefício rural e BPC iria afetar os mais pobres e aumentar as desigualdades”.

Ela ponderou: "Se há um corte drástico nos benefícios rurais, determinados locais podem ser muito afetados no âmbito previdenciário, trabalhista e também na economia geral. Muitos municípios dependem disso. Já o BPC tem como objetivo diminuir a desigualdade e, entre suas exigências, a pessoa precisa comprovar que está em situação de miséria. Retirar isso foi positivo então".

Ver comentários