Notícia

Secretário Heber Resende será o presidente da ES Gás

O executivo Eugenio Mamede indicado pelo governador para o cargo não aceitou o convite

Secretário de Desenvolvimento Heber Resende aceita ser presidente da ES Gás
Secretário de Desenvolvimento Heber Resende aceita ser presidente da ES Gás
Foto: Vitor Jubini

O secretário de Estado de Desenvolvimento, Heber Resende, será o presidente da ES Gás, companhia que será criada pelo governo estadual em sociedade coma BR Distribuidora.

>Casagrande nomeia Paulo Menegueli para a Secretaria de Desenvolvimento do ES

O executivo Eugenio Mamede declinou na manhã desta segunda-feira (15) do cargo. Ele havia sido o primeiro nome anunciado pelo governador Renato Casagrande para assumir a função.

A ES Gás deve entrar em operação já no início do próximo mês. Para isso, será preciso ainda finalizar o estatuto da empresa e o acordo entre os sócios acionistas –governo e BR Distribuidora.

Segundo o governo, por motivos de ordem pessoal, o engenheiro Eugenio Mamede declinou de assumira presidência da ES Gás. Em reunião com o governador Renato Casagrande, no Palácio Anchieta, ele se desculpou e argumentou que, em função de problemas pessoais, transcorridos na manhã de ontem, viu-se obrigado a não aceitar o cargo

ESCOLHIDOS

Além de Resende, o governador anunciou nesta segunda-feira ainda o nome do conselho de Administração da nova companhia, que será composto por Márcio Félix,Guilherme Dias, Luiz Cláudio Nogueira de Souza e Durval Vieira. Outros três nomes serão indicados pela BR Distribuidora.

> Coluna Beatriz Seixas: Conheça o perfil do engenheiro Eugênio Mamede

Já o conselho fiscal será formado por Ricardo Ferraço e Luiz Henrique Miguel Pavan, indicados do governo e outro nome a ser indicado pela BR Distribuidora.

FUTURO

O novo nome para a presidência da ES Gás, Heber Resende, trabalhou por 25 anos na Petrobras. Segundo Resende, “ele (o governador” considerou a minha situação aqui (na secretaria de Desenvolvimento) e fez um convite para que eu assumisse a ES Gás”. Além disso, o fato de precisar de uma pessoa que conheça a atividade contribuiu para a escolha.

De acordo com Resende, o conselho administrador vai ratificar nos próximos dias os nomes anunciados pelo governador. Com isso, assim que a empresa for efetivamente constituída as posses serão realizadas.

Mas, para que isso ocorra, Resende terá que deixar o cargo no governo. De acordo com o texto aprovado da lei que cria a ES Gás, secretários de Estado são proibidos de assumir cargos na estatal.

Não posso acumular os cargos, mas se eu for exonerado ou pedir exoneração estou liberado para assumir. Isso deve ocorrer no início de agosto. Hoje, ao mesmo tempo que lido com a rotina da secretaria estou cuidando de constituir a empresa Heber Resende, secretário de Desenvolvimento do Estado

Para Resende, seu primeiro desafio como presidente é colocar a empresa em pé, já que ela está nascendo do zero. A médio prazo será atrair para o Estado indústrias que usem gás natural em seu funcionamento.

Até que a ES Gás tenha estrutura própria para realizar o atendimento do clientes, a BR Distribuidora continuará operando, mas em nome da estatal. “O governo do Estado vai fazer a outorga do contrato de concessão. Só aí a ES Gás vai conseguir começar a operar legitimamente. Vai ser ainda este ano, no final do ano. Em 2020, esperamos estar com a empresa totalmente operacional fazendo a distribuição de gás”, aponta. 

Estado deverá ter rede de distribuição ampliada com criação de empresa
Estado deverá ter rede de distribuição ampliada com criação de empresa
Foto: Agência Petrobras

 

SAIBA MAIS

Histórico da ES Gás

Histórico da es gás

Início do processo A formação da estatal de distribuição de Gás no Estado tem sido tocada pelo governo do Estado há anos. O processo é referente à discussão judicial sobre a validade do contrato assinado entre o Estado e a BR Distribuidora, em 1993, sem licitação.

Acordo

Os trabalhos de distribuição eram feitos pela BR Distribuidora por meio de um contrato precário que duraria, ao todo, 50 anos.

Rompimento

O governo rompeu esse acordo na metade de sua operação. Uma das alternativas para solucionar o impasse foi criar a ES Gás. Com o acordo, o Estado tem 51% das ações. A BR fica com uma fatia de 49%.

Sociedade

Com a sociedade, tanto o governo quanto a BR não precisarão indenizar um a outro. O Estado, por exemplo, teria que pagar a distribuidora pelos investimentos feitos em infraestrutura. Já a empresa teria que compensar os capixabas por ter explorado a atividade sem ter participado de uma concorrência.

Investimento

A empresa ES Gás terá um plano de investimentos que será definido no contrato de concessão. As obras e expansão da rede serão realizadas a partir da receita que a companhia terá com a venda e distribuição do gás.

Próximos passos

A ES Gás deve entrar em operação no início do mês de agosto. Para isso, será preciso ainda finalizar o estatuto da empresa e o acordo entre os sócios acionistas, que são o governo do Estado e a BR Distribuidora.

 

 

Ver comentários