Notícia

Mesmo com passagem aérea mais cara, inflação no ES fica em 0,04%

Quem viajou no mês de julho pagou mais caro. De acordo com o IPCA, houve um aumento de 31,5% do preço das passagens aéreas no ES e 18,63% no Brasil.

Avião sendo abastecido no Aeroporto de Vitória
Avião sendo abastecido no Aeroporto de Vitória
Foto: Luísa Torre

Mesmo com um aumento de 31,6% no preço das passagens aéreas, a inflação na Grande Vitória foi de 0,04% em julho deste ano, segundo dados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), divulgado nesta quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A alta no custo das viagens ocorreu exatamente no período das férias. Apesar do fenômeno ter acontecido em todo o país, o avanço no valor cobrado do consumidor que parte do Aeroporto Eurico de Aguiar Salles foi o segundo maior do país, ficando atrás apenas de Curitiba (34,20%). No Brasil, crescimento foi de 18,63%.

Vale destacar também que houve um crescimento de 4,28% no preço das passagens de ônibus interestaduais e de 3,88% nos preços cobrados em excursões na Grande Vitória.

No setor alimentício, os maiores aumentos foram no mamão (31,50%) e na manga (16,24%). A farinha de trigo também ficou mais cara para os capixabas (4,8%). Mas também houve queda no preço dos alimentos, principalmente no tomate, que registrou uma diminuição de 19,38%. O preço do peixe também caiu 14,15%, assim como o feijão carioca (-8.27%).

BRASIL

No país, o IPCA fechou em alta de 0,19%, a menor taxa para o mês em cinco anos. O resultado foi bem acima do que o registrado no Estado.A alta de 4,48% na conta de luz foi o que pressionou o índice.

Apesar da aceleração, a taxa é a menor para meses de julho desde 2014, quando ficou em 0,01%. O índice acumula alta de 2,42% em 2019 e de 3,22% nos últimos 12 meses, seguindo abaixo da meta de 4,25% definida para o ano.

Assim como no Espírito Santo, o peixe (-13,74%) e tomate (-11,28%) também apresentaram as maiores quedas no mês de julho em todo o país. Já o mamão (28,94%) e o limão (21,91%) tiveram o maior aumento de preços. 

 

 

Ver comentários